Jacinda Arden apresenta a filha, Neve Te Aroha

Neve deriva do nome irlandês Niamh e significa 'brilhante' ou 'radiante', e Te Aroha significa 'amor' num dialeto neozelandês

A primeira-ministra da Nova Zelândia e o companheiro Clarke Gayford, apresentaram este domingo ao mundo a filha recém-nascida: Neve Te Aroha Ardern Gayford.

Jacinda Ardern falou à imprensa à saída do Hospital da Cidade de Auckland onde foi mãe na passada quinta-feira e explicou a escolha do nome da menina. Neve, deriva do nome irlandês Niamh, significa 'brilhante' ou 'radiante', e Te Aroha significa 'amor' no dialeto indígena neozelandês te reo Māori.

"Queríamos esperar até que a bebé nascesse para realmente ver qual dos nomes funcionaria e só aí decidimos o nome a dar-lhe. Escolhemos Neve porque é um nome de que nós gostamos e quando a vimos pensámos que ela parecia adequada ao nome", explicou a primeira-ministra, que recorda o que sentiu quando viu a bebé pela primeira vez: "Ela parecia absolutamente atordoada e muito, muito feliz."

Quanto à escolha de Te Aroha foi uma homenagem "às tribos maori" que os "presentearam" com sugestões de nomes para a menina. "Pareceu-nos ser uma maneira de mostrarmos esse amor e generosidade. É também como um nome do sítio de onde a minha família é", disse referindo-se a Hamilton, cidade onde cresceu.

Ardern é a primeira líder mundial em quase 30 anos a ser mãe no decorrer do cargo. Passavam quatro dias da data prevista para o parto. A bebé nasceu às 4.45 com 3,3 quilos.

A notícia foi dada pela própria, via Instagram, numa fotografia com a bebé ao colo e ao lado do companheiro, o apresentador de televisão Clarke Gayford.

Foi também através das redes sociais que a primeira-ministra agradeceu e elogiou o serviço do hospital público onde optou ser acompanhada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.