Israel bombardeia Gaza a duas semanas das eleições

O exército israelita lançou, esta segunda-feira à tarde, ataques à Faixa de Gaza em retaliação pelos rockets disparados pelo Hamas e que fez sete feridos no norte da cidade de Telavive

Helicópteros israelitas realizaram pelo menos três ataques no oeste da Faixa de Gaza a instalações do braço armado do movimento islâmico Hamas, no poder no enclave palestiniano sob bloqueio, indicaram testemunhas.

Esta operação ocorreu quando o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, chegava à Casa Branca, onde o presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou que Washington reconhece "o direito de Israel a defender-se" e classificou como "um ataque desprezível" o disparo dos rockets palestinianos.

Além disso, Trump assinou também um decreto reconhecendo a soberania israelita sobre a parte dos montes Golã sírios anexada pelo Estado hebreu. Algo que já mereceu críticas por parte da Turquia.

"O exército israelita começou a atacar alvos terroristas pertencentes ao Hamas em toda a Faixa de Gaza", indicou o exército através das redes sociais. "Os Estados Unidos voltaram a desrespeitar a lei internacional. Contudo, essa decisão nunca legitimará a ocupação israelita. Pelo contrário, aumentará as tensões na região ao dificultar os esforços para alcançar a paz no Médio Oriente", indicou o chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu, na sua conta na rede social Twitter.

A ofensiva israelita, sistemática quando um rocket atinge uma zona civil, era esperada em resposta ao disparo noturno proveniente do enclave palestiniano situado entre Israel, o Egito e o mar Mediterrâneo.

Este pico de tensão desperta o espetro de um novo confronto armado entre Israel e a Faixa de Gaza e acontece a apenas duas semanas das eleições legislativas em Israel.

O exército israelita acusou o Hamas de ser o autor do disparo que, precisou, percorreu 120 quilómetros desde que foi lançado a partir de uma posição do movimento palestiniano no sul da Faixa de Gaza.

De Washington, Netanyahu condenou "o ataque criminoso contra o Estado de Israel" e prometeu responder "com força".

O Hamas negou estar por detrás do disparo e a Jihad Islâmica, o segundo grupo armado de Gaza, advertiu de que a sua reação seria proporcional a uma "agressão israelita".

Netanyahu anunciou que regressaria ao país logo depois de ser hoje recebido por Trump, "para dirigir de perto as operações", abandonando a agenda inicial, que incluía proferir na terça-feira um discurso perante um grande lóbi pró-israelita e a seguir um jantar com Trump.

Israel anunciou o fecho dos postos de passagem entre o seu território e o enclave palestiniano afetado pelas guerras, a pobreza e os bloqueios israelita e egípcio.

Também isolou as estradas em torno da Faixa de Gaza e proibiu as atividades agrícolas.

O exército israelita anunciou o envio de duas brigadas de reforço e a chamada de alguns reservistas.

Israel e o Hamas travaram três guerras na Faixa de Gaza desde que o movimento islâmico ali tomou o poder pela força, em 2007, depois de a comunidade internacional se ter recusado a reconhecer a sua vitória nas legislativas.

As duas partes estiveram mais uma vez à beira da guerra em 2018, e as tensões aumentaram de novo nas últimas semanas e prosseguem a apenas alguns dias de 30 de março, o primeiro aniversário da "Grande Marcha do Regresso", mobilização contra o bloqueio e pelo direito dos palestinianos a regressarem às terras de onde fugiram ou foram expulsos quando Israel foi criado, em 1948.

Este aniversário deverá envolver uma grande mobilização palestiniana.

Desde março de 2018, pelo menos 258 habitantes da Faixa de Gaza foram mortos por fogo israelita, a grande maioria em manifestações, muitas vezes acompanhadas de violência, ao longo da fronteira, e os restantes em bombardeamentos israelitas.

A ONU e a União Europeia condenaram o disparo dos rockets palestinianos.

"As Nações Unidas estão a trabalhar intensivamente com o Egito e todas as partes" para impedir uma escalada" do conflito, escreveu o enviado da ONU, Nickolay Mladenov, na rede social Twitter.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.