Irão terá tentado o lançamento de um novo satélite

O Irão terá tentado o lançamento de um satélite, o segundo desde o início do ano

De acordo com as imagens de satélite divulgadas pela empresa Digital Globe, do Colorado, o foguete que se encontrava no Centro Espacial Imam Khomeini, na província de Semnan, desapareceu, deixando marcas de queimadura na plataforma onde este se encontrava. O lançamento terá ocorrido na quarta-feira, mas as autoridades iranianas não se pronunciaram sobre o assunto.

A 15 de janeiro, o Irão lançou um satélite, contudo o foguete que o transportava não conseguiu entrar em órbita, afirmaram as autoridades iranianas. O foguete que transportava o satélite Payam não conseguiu atingir a "velocidade necessária" no terceiro estágio do seu lançamento, disse o ministro das Telecomunicações, Mohammad Javad Azari Jahromi, à TV estatal iraniana.

Para além do satélite Payam, Teerão pretendia enviar mais um satélite.

"Doosti (nome do segundo satélite) está à espera de órbita", escreveu, sem especificar, o ministro iraniano, na sua conta da rede social Twitter.

As pretensões espaciais do Irão são criticadas pelos Estados Unidos. O secretário da defesa norte-americano, Mike Pompeo, disse que os planos do Irão em enviar satélites para o espaço desafiam uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, que aconselha Teerão a não desenvolver atividades relacionadas com mísseis balísticos capazes de albergar armas nucleares.

O Irão insiste que os lançamentos não violam a resolução. Na última década, o país enviou vários satélites de curta duração e em 2013 lançou um foguete com um macaco para o espaço. Os EUA temem que a mesma tecnologia de lançamento de satélites possa ser usada para desenvolver mísseis de longo alcance capazes de transportar armas nucleares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.