Investigadores admitem envolvimento de terceiros no desaparecimento do voo MH370

Continuam desaparecidas as duas caixas negras e a fuselagem do aparelho

As autoridades da Malásia admitem o envolvimento de "terceiros" no caso do desaparecimento do avião MH370 da Malaysia Airlines, que transportava 239 pessoas a bordo, em 2014.

"Não podemos excluir a participação de uma terceira parte", disse Kok Soo Chon, chefe da investigação oficial durante uma conferência de imprensa.

O voo MH370, da Malayisia AirLines, fazia a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim, no dia 08 de março de 2014, e "depois de ter mudado" de rumo despenhou-se no Oceano Índico.

O responsável pela investigação oficial assinalou que o aparelho terá mudado de rumo de "forma manual", mas sublinhou que ainda faltam elementos para concluir os motivos da manobra.

O relatório incluiu recomendações de segurança relacionadas com a aviação comercial, apesar de ainda continuarem desaparecidas as duas caixas negras do aparelho e a fuselagem do aparelho.

Uma das sugestões incluídas no documento propõe melhorar a eficácia dos transmissores de localização que se encontram a bordo dos aviões comerciais em caso de acidentes no mar.

O documento refere também que as companhias e as autoridades dos vários países devem alargar o âmbito das informações sobre as condições psicológicas dos pilotos e da tripulação, melhor inspeção da carga e um "maior" controlo do tráfego aéreo.

No passado mês de maio a companhia norte-americana Ocean Infinity não conseguiu localizar vestígios do Boeing depois de explorar 112 mil quilómetros quadrados no Indico.

Até ao momento recuperaram-se 27 peças em praias de Moçambique, Reunião, Maurícias, África do Sul e Zanzibar: fragmentos que foram supostamente arrastados pelas correntes oceânicas.

De acordo com os especialistas, três dos 27 fragmentos encontrados nas Maurícias, Reunião e Zanzibar pertencem ao voo MH370.

Outras sete peças, incluindo partes do interior da cabina, são "quase seguramente" do MH370, e outras oito podem ser "muito provavelmente" partes do aparelho da Malayisian Airlines.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.