Bruxelas enaltece "belíssimo exemplo" de Portugal

Autoridades portuguesas disponibilizaram ajuda à Suécia e à Grécia para combater os violentos incêndios que lavram naqueles países

O porta-voz da Comissão Europeia para Ajuda Humanitária e Proteção Civil enalteceu esta terça-feira o "belíssimo exemplo" de Portugal, que ofereceu ajuda à Suécia e à Grécia para combater os violentos incêndios que lavram naqueles países.

Em declarações aos jornalistas, durante uma visita ao Centro de Coordenação de Resposta de Emergência da União Europeia, em Bruxelas, Carlos Martin Ruiz de Gordejuela confirmou a oferta de ajuda à Grécia por parte de Portugal, que já hoje enviou dois aviões médios anfíbios para a Suécia, explicando que a receção desta se encontra pendente de aprovação por parte das autoridades gregas.

"Há uma série de países que responderam, entre eles Portugal, que também já contribuiu para os incêndios na Suécia. É uma grande demonstração de solidariedade. Penso que conseguimos dar um exemplo do que é a solidariedade: quando um país precisa, é ajudado, quando pode ajudar, ajuda. Neste caso, Portugal é um belíssimo exemplo", defendeu o porta-voz comunitário.

Carlos de Gordejuela esclareceu que a gestão das ofertas de ajuda recebidas através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, acionado na segunda-feira pelo Governo grego, compete às autoridades nacionais de cada Estado-Membro.

"A situação muda constantemente e são eles os responsáveis por gerir essas ofertas de ajuda. Digamos que neste caso há mais ofertas do que pedidos, o que comprova que conseguimos dar a resposta adequada ao que a Grécia está a solicitar", sublinhou.

O porta-voz comunitário para Ajuda Humanitária e Proteção Civil vincou que os incêndios na Grécia são "uma situação em evolução". "Há poucos minutos foi confirmado que a Grécia aceitou receber aviões da Itália", referiu ainda.

Os incêndios que devastaram os arredores de Atenas provocaram a morte a, pelo menos, 74 pessoas, anunciou hoje a porta-voz dos bombeiros, Stavroula Maliri, revendo em alta o anterior balanço de 60 vítimas.

Ministro anunciou que Portugal disponibilizou 50 bombeiros para ajudar a combater fogos na Grécia

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, anunciou hoje que Portugal disponibilizou 50 elementos da Força Especial de Bombeiros (FEB) para ajudar a combater os incêndios na Grécia, no âmbito do Mecanismo Europeu de Proteção Civil.

Carlos de Gordejuela congratulou-se pela resposta europeia nesta campanha de verão, lamentando que nem sempre, como aconteceu no ano passado com Portugal, seja possível responder às ativações em tempo desejável, e sublinhando a importância de concluir a reforma daquele mecanismo comunitário.

Propostas para reforçar o mecanismo de proteção civil

Na sequência dos incêndios florestais de 2017 no sul da Europa, e em particular em Portugal, onde morreram mais de 100 pessoas, a Comissão Europeia apresentou propostas - atualmente a serem negociadas com o Conselho (Estados-membros) - para reforçar o mecanismo de proteção civil, de modo a melhorar a sua capacidade de resposta a catástrofes naturais como os fogos.

"No mês de novembro, o comissário [Christos] Stylianides apresentou essa proposta, que consiste em três pilares: reforçar a capacidade dos Estados-Membros, adquirir meios europeus, e aprofundar o trabalho de preparação e antecipação da época de fogos", recordou.

Salientando que "a ajuda europeia continuará sempre a ser completar à responsabilidade dos Estados-membros", o espanhol lembrou que a proposta, que definiu como "facilmente aceitável", tem de seguir os trâmites legislativos normais até entrar em vigor.

"A Comissão Europeia fez a sua proposta, agora são os Estados-membros e o Parlamento Europeu que têm de a aprovar e implementar", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.