Autoridades gregas falam em "indícios sérios de mão criminosa" nos incêndios

As autoridades gregas anunciaram esta quinta-feira que existem "indícios sérios" de atos criminosos nos incêndios que ocorreram na zona de Mati, a 30 quilómetros de Atenas, e que causaram a morte de pelo menos 82 pessoas.

O ministro da Ordem Pública da Grécia, Nikos Toskas, afirmou que a análise das imagens de satélite e as investigações no terreno sugerem que as chamas começaram na segunda-feira em vários locais e num curto espaço de tempo, provavelmente devido a atos criminosos.

"Existem sérios indícios de mão criminosa, mas as investigações ainda estão a decorrer", disse Nikos Toskas em conferência de imprensa, acrescentando que foi encontrado um objeto suspeito em Mati, local onde ocorreram a maioria das mortes.

O ministro salientou que os ventos fortes que se fizeram sentir provocaram uma "situação extraordinária", levando a que as chamas se propagassem de uma forma rápida em pouco tempo.

Os fogos de segunda-feira em Mati, um bairro associado à vila de Rafina, e nas proximidades causaram pelo menos 82 mortos e quase duas centenas de feridos, dos quais 70 continuam hospitalizados, alguns em estado crítico.

As autoridades continuam a efetuar buscas nos locais afetados e também no mar, para procurar por mais possíveis vítimas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.