Trump diz que água desviada para o Pacífico podia apagar fogos na Califórnia

Os bombeiros na Califórnia lutam uma "guerra" contra o terreno acidentado, ventos fortes e uma onda de calor para travar a propagação do maior incêndio florestal registado naquele Estado norte-americano, que está ativo há 12 dia

O incêndio, centrado perto da comunidade de Upper Lake, a 160 quilómetros ao norte de São Francisco, espalhou-se rapidamente, conforme explicaram as autoridades, devido a uma "combinação perfeita entre clima, topografia e vegetação abundantes transformada em combustível altamente inflamável por anos de seca".

O incêndio, conhecido como 'Mendocino Complex', que tem duas frentes ativas, já consumiu 114.850 hectares de terra, uma área semelhante ao tamanho da cidade de Los Angeles, informaram as autoridades, sendo já considerado o mais grave da história do estado da Califórnia.

Na segunda-feira, o Departamento Florestal e de Proteção contra Incêndios indicou que o incêndio está controlado em 30%, prevendo-se que fique extinto na próxima semana.

Até ao momento, as chamas destruíram pelo menos 143 edifícios, dos quais 75 casas, e ameaça cerca de 9.300 estruturas.

De acordo com especialistas, os anos de seca criaram as condições ideais para que os incêndios florestais de grande escala se propaguem a maior velocidade. Dos cinco maiores incêndios florestais na história do estado da Califórnia, quatro aconteceram desde 2012.

O presidente dos EUA, Donald Trump, comentou o incêndio da Califórnia, no Twitter, gerando alguma confusão sobre o que quis dizer. "Os incêndios da Califórnia estão a ser amplificados e piorados por causa das más políticas ambientais que não permitem utilizar a água de forma adequada. Está a ser desviada para o Oceano Pacífico. Também se devem limpar as árvores para evitar que o fogo alastre", escreveu.

Num outro tweet, Trump prosseguiu: "O governador Jerry Brown deve permitir o Fluxo Livre de grandes quantidades de água que vem do Norte e é desviada de forma tola para o Oceano Pacífico. Pode ser usada no combate aos fogos, agricultura e outras coisas. Pensem na Califórnia com muita Água - Ótimo! Rápidas aprovações do governo federal".

Alguns especialistas, também através do Twitter, responderam às frases do presidente: "Os incêndios na Califórnia e a falta de água devem-se às alterações climáticas que a sua Administração continua a negar, tendo-se até retirado do Acordo de Paris", escreveu o cientista físico Eugene Gu, também cronista do Huffington Post.

"Parece que esta é uma tentativa confusa de relacionar os terríveis incêndios da Califórnia com os nossos contenciosos debates sobre água. Parte do que disse dá a entender que não havia água suficiente para combater o fogo na Califórnia por culpa das nossas políticas relativas à água, algo que não faz sentido nenhum. Há água suficiente para combater as chamas. Nem sequer usamos tanta água para apagar incêndios, mas há suficiente. Três grandes massas de água ficam próximas da zona dos incêndios. Por isso é ridículo", declarou o cientista ambiental Peter Glieck, citado pela CNN.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...