"Hoje não é dia de mudança, é dia de formação da ditadura"

Neste ano, associação de venezuelanos em Portugal Venexos já enviou dois mil quilos de medicamentos para a Venezuela. Mas precisa de mais.

Christian Höhn, de ascendência alemã, deixou a Venezuela em 1999. Tinha 22 anos e estudava Psicologia numa universidade onde havia um movimento anti-Chávez. Quando o chavismo ganhou as presidenciais e os amigos começaram a ser "caçados", vendeu o que conseguiu e veio para Portugal, onde já passara férias. "Achava que a Venezuela não podia piorar mais, mas pode. É a realidade que tenho visto todos os dias à distância", disse ao DN. Christian lidera a associação Venexos que tem enviado medicamentos que faltam nos hospitais venezuelanos. Só neste ano já seguiram dois mil quilos. Mas são precisos mais.

"A realidade é que a nível político está tudo muito parado, não houve concentrações, marchas, as pessoas têm muito medo e sabem que o circuito eleitoral está viciado. Independentemente de se votar por A ou B, vai ganhar A. Para muitos, hoje não é dia de mudança, é dia de formação da ditadura", contou. E por muito que a comunidade internacional diga que não vai reconhecer as eleições, "dentro da Venezuela isso não importa" ao presidente Nicolás Maduro, alega.

Da parte do governo português, Christian - que tem dupla nacionalidade - pede o fim de todos os negócios com o governo venezuelano. O Ministério dos Negócios Estrangeiros português não respondeu à pergunta do DN sobre se planeia ou não reconhecer o resultado. "Durante muitos anos defendíamos que tinha de haver eleições, que tinha de ser a Venezuela a resolver a situação internamente. Mas já perdemos a esperança. No último ano apelámos a uma intervenção internacional", contou Christian.

A Venexos recebe todos os dias 30 a 40 pedidos de ajuda. Depois de terem alcançado já neste mês a meta de envios de medicamentos que tinham estabelecido no jantar de Natal, dois mil quilos, o objetivo é agora chegar aos cinco mil até ao final do ano. Recentemente, também enviaram comida para crianças que são entregues a orfanatos, à Caritas e outras associações. Pessoalmente, envia encomendas para a mãe, de 82 anos, que ainda vive numa quinta isolada. "Há um ano ainda conseguia sair e comprar alguma coisa e agora não consegue. A cada 45 dias envio um contentor com 50 ou 70 quilos de comida, medicamentos, produtos de higiene", explicou.

"A Venezuela nunca foi um país de emigrantes. Os venezuelanos saíam para estudar, mas voltavam. Nos últimos cinco anos, somos o país com a maior percentagem de emigrantes do mundo. Perdemos três milhões de pessoas, não porque elas querem melhorar de vida, mas porque não têm o que comer, não têm como comprar medicamentos. Têm a sua vida em perigo", afirmou. O responsável da Venexos teme uma "escalada de saídas" após as eleições. "Muitas pessoas aguentaram mas estabeleceram um limite. O dia de hoje. Mesmo sabendo que ele [Nicolás Maduro] vai ganhar, têm uma pequena esperança. Mas se ele ganhar, vão-se embora."

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?