"Hoje não é dia de mudança, é dia de formação da ditadura"

Neste ano, associação de venezuelanos em Portugal Venexos já enviou dois mil quilos de medicamentos para a Venezuela. Mas precisa de mais.

Christian Höhn, de ascendência alemã, deixou a Venezuela em 1999. Tinha 22 anos e estudava Psicologia numa universidade onde havia um movimento anti-Chávez. Quando o chavismo ganhou as presidenciais e os amigos começaram a ser "caçados", vendeu o que conseguiu e veio para Portugal, onde já passara férias. "Achava que a Venezuela não podia piorar mais, mas pode. É a realidade que tenho visto todos os dias à distância", disse ao DN. Christian lidera a associação Venexos que tem enviado medicamentos que faltam nos hospitais venezuelanos. Só neste ano já seguiram dois mil quilos. Mas são precisos mais.

"A realidade é que a nível político está tudo muito parado, não houve concentrações, marchas, as pessoas têm muito medo e sabem que o circuito eleitoral está viciado. Independentemente de se votar por A ou B, vai ganhar A. Para muitos, hoje não é dia de mudança, é dia de formação da ditadura", contou. E por muito que a comunidade internacional diga que não vai reconhecer as eleições, "dentro da Venezuela isso não importa" ao presidente Nicolás Maduro, alega.

Da parte do governo português, Christian - que tem dupla nacionalidade - pede o fim de todos os negócios com o governo venezuelano. O Ministério dos Negócios Estrangeiros português não respondeu à pergunta do DN sobre se planeia ou não reconhecer o resultado. "Durante muitos anos defendíamos que tinha de haver eleições, que tinha de ser a Venezuela a resolver a situação internamente. Mas já perdemos a esperança. No último ano apelámos a uma intervenção internacional", contou Christian.

A Venexos recebe todos os dias 30 a 40 pedidos de ajuda. Depois de terem alcançado já neste mês a meta de envios de medicamentos que tinham estabelecido no jantar de Natal, dois mil quilos, o objetivo é agora chegar aos cinco mil até ao final do ano. Recentemente, também enviaram comida para crianças que são entregues a orfanatos, à Caritas e outras associações. Pessoalmente, envia encomendas para a mãe, de 82 anos, que ainda vive numa quinta isolada. "Há um ano ainda conseguia sair e comprar alguma coisa e agora não consegue. A cada 45 dias envio um contentor com 50 ou 70 quilos de comida, medicamentos, produtos de higiene", explicou.

"A Venezuela nunca foi um país de emigrantes. Os venezuelanos saíam para estudar, mas voltavam. Nos últimos cinco anos, somos o país com a maior percentagem de emigrantes do mundo. Perdemos três milhões de pessoas, não porque elas querem melhorar de vida, mas porque não têm o que comer, não têm como comprar medicamentos. Têm a sua vida em perigo", afirmou. O responsável da Venexos teme uma "escalada de saídas" após as eleições. "Muitas pessoas aguentaram mas estabeleceram um limite. O dia de hoje. Mesmo sabendo que ele [Nicolás Maduro] vai ganhar, têm uma pequena esperança. Mas se ele ganhar, vão-se embora."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.