Hillary Clinton acusada de ter manipulado eleições primárias

As afirmações vêm do interior do partido democrata. A candidata derrotada por Trump terá beneficiado, nas primárias, de ter financiado o partido, que se encontrava endividado.

A senadora Elizabeth Warren afirmou que as eleições primárias para a escolha do candidato presidencial democrata de 2016 foram fraudulentas. No mesmo dia, soube-se que a ex-secretária-geral do executivo democrata, Donna Brazile, considerou que Hillary Clinton teve um comportamento antiético ao financiar o partido antes das eleições primárias.

"Acho que foram", respondeu a senadora democrata pelo Massachussetts à PBS. "O processo eleitoral foi manipulado e agora cabe aos democratas construir um que realmente funcione e para todos", disse Warren. As pessoas precisam de confiar na integridade do sistema, acrescentou.

As declarações de Warren ocorreram no mesmo dia em que o site Politico publicou um trecho do livro da ex-presidente interina do Comité Nacional Democrata, Donna Brazile. Em Hacks: The inside story of the break-ins and breakdowns that put Donald Trump in the White House, a sair no dia 7, Brazile escreve: "O acordo de financiamento com Hillary For America [a campanha] e Hillary Victory Fund [instrumento de recolha de fundos em conjunto com o Comité Nacional Democrata] não era ilegal, mas com certeza não foi ético. Se a luta tivesse sido justa, uma campanha não teria controlo do partido antes que os eleitores decidissem qual dos candidatos queria para liderar. Não foi um ato criminoso, mas, do meu ponto de vista, a integridade do partido foi atacada."

Quando Brazile assumiu interinamente os destinos dos democratas ficou a saber que este estava com dois milhões de dólares em dívida. E que a campanha de Hillary Clinton já tinha transferido para a conta do partido dez milhões de dólares.

A líder do Comité Nacional Democrata Debbie Wasserman Schultz demitiu-se na sequência dos emails divulgados pela Wikileaks. Sacados por hackers russos de um servidor dos democratas, do conteúdo das mensagens conclui-se que os principais dirigentes democratas preferiam a nomeação de Hillary Clinton a Bernie Sanders, o oponente nas primárias democratas.

Muitos dos partidários de Bernie Sanders, que souberam do conteúdo dos emails nas vésperas da convenção democrata, não perdoaram Clinton e fizeram campanha contra a ex-secretária de Estado.

Donald Trump aproveitou-se da questão durante a campanha presidencial e passou a tratar a candidata democrata de "Hillary desonesta".

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.