Hillary Clinton acusada de ter manipulado eleições primárias

As afirmações vêm do interior do partido democrata. A candidata derrotada por Trump terá beneficiado, nas primárias, de ter financiado o partido, que se encontrava endividado.

A senadora Elizabeth Warren afirmou que as eleições primárias para a escolha do candidato presidencial democrata de 2016 foram fraudulentas. No mesmo dia, soube-se que a ex-secretária-geral do executivo democrata, Donna Brazile, considerou que Hillary Clinton teve um comportamento antiético ao financiar o partido antes das eleições primárias.

"Acho que foram", respondeu a senadora democrata pelo Massachussetts à PBS. "O processo eleitoral foi manipulado e agora cabe aos democratas construir um que realmente funcione e para todos", disse Warren. As pessoas precisam de confiar na integridade do sistema, acrescentou.

As declarações de Warren ocorreram no mesmo dia em que o site Politico publicou um trecho do livro da ex-presidente interina do Comité Nacional Democrata, Donna Brazile. Em Hacks: The inside story of the break-ins and breakdowns that put Donald Trump in the White House, a sair no dia 7, Brazile escreve: "O acordo de financiamento com Hillary For America [a campanha] e Hillary Victory Fund [instrumento de recolha de fundos em conjunto com o Comité Nacional Democrata] não era ilegal, mas com certeza não foi ético. Se a luta tivesse sido justa, uma campanha não teria controlo do partido antes que os eleitores decidissem qual dos candidatos queria para liderar. Não foi um ato criminoso, mas, do meu ponto de vista, a integridade do partido foi atacada."

Quando Brazile assumiu interinamente os destinos dos democratas ficou a saber que este estava com dois milhões de dólares em dívida. E que a campanha de Hillary Clinton já tinha transferido para a conta do partido dez milhões de dólares.

A líder do Comité Nacional Democrata Debbie Wasserman Schultz demitiu-se na sequência dos emails divulgados pela Wikileaks. Sacados por hackers russos de um servidor dos democratas, do conteúdo das mensagens conclui-se que os principais dirigentes democratas preferiam a nomeação de Hillary Clinton a Bernie Sanders, o oponente nas primárias democratas.

Muitos dos partidários de Bernie Sanders, que souberam do conteúdo dos emails nas vésperas da convenção democrata, não perdoaram Clinton e fizeram campanha contra a ex-secretária de Estado.

Donald Trump aproveitou-se da questão durante a campanha presidencial e passou a tratar a candidata democrata de "Hillary desonesta".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.