Heather lutou contra um cancro até ao casamento. Morreu 18 horas depois

Heather Mosher, de 31 anos, foi diagnosticada com a doença no dia em que foi pedida em casamento

Heather Mosher, de 31 anos, morreu com cancro da mama 18 horas depois de se casar no Hospital St. Francis, em Hartford, no estado norte-americano do Connecticut.

Segundo a CBS, Heather e David Mosher conheceram-se numa aula de dança swing em maio de 2015. A 23 de dezembro de 2016, dia em que David planeava pedir a namorada em casamento, Heather recebeu o diagnóstico de cancro da mama. "Ela não sabia que eu ia pedi-la em casamento nessa noite, mas eu disse a mim mesmo: ela precisa de saber que não vai enfrentar isto sozinha", contou David ao canal de televisão WFSB.

Em setembro de 2017, o cancro espalhou-se e chegou ao cérebro. Dois meses depois, Heather utilizava um tubo para respirar. A data do casamento, que estava agendado para o dia 30 de dezembro, foi alterada por recomendação dos médicos, que esperavam o pior e recomendaram ao casal que se apressasse a dar o nó.

Com familiares e amigos presentes, junto à cama de Heather no hospital, os dois casaram-se no passado dia 22 de dezembro. "Estávamos a perdê-la e estávamos todos ali, a tentar aproveitar o momento, porque aquilo era o que ela ainda podia dar", disse a dama de honor, Christina Kara, que captou a alegria da noiva em fotografias.

Dezoito horas depois, exatamente um ano depois do pedido de casamento, a recém-casada não resistiu ao cancro. "A Heather disse: quero continuar a lutar. Este é o lema que vou adotar. Ela foi capaz de lutar até ao seu fim, eu vou lutar até ao meu", disse David.

O funeral de Heather foi no dia 30 de dezembro, a data inicialmente prevista para a cerimónia de casamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.