Haddad, o plano B de Lula, é acusado de corrupção

Fernando Haddad, o provável candidato a presidente do Brasil pelo PT no lugar de Lula, foi acusado pelos crimes de corrupção, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Fernando Haddad, atual candidato a vice-presidente pelo Partido dos Trabalhadores, e possível substituto de Lula da Silva, caso se confirme que o antigo presidente não possa concorrer, é o mais recente político brasileiro a contas com a justiça.

Segundo o procurador Marcelo Batlouni Mendroni, Haddad é suspeito de ter recebido da empresa UTC Empreiteira 2,6 milhões de reais enquanto presidente da Câmara de São Paulo e que terão servido para pagar dívidas ca campanha eleitoral de 2012.

"Solicitou e recebeu indiretamente vantagem indevida de 2,6 milhões de reais. Depois, agiu por interpostas pessoas de forma a dissimular a natureza, a origem, a localização e a movimentação dos valores provenientes, direta e indiretamente, daquela infração penal", lê-se na acusação, citada pelo Estado de São Paulo.

Esta investigação nasceu de outra sobre a empresa de construção UTC, de Ricardo Pessoa, ligada à Lava-Jato.

Além de Haddad e Pessoa, foram ainda acusados o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, o operacional Alberto Youssef (o "doleiro"), o antigo deputado estadual do PT Francisco Carlos de Souza, Chicão, e o ex-diretor financeiro da construtora Walmir Pinheiro.

Esta não é a primeira acusação do Ministério Público contra Haddad. No dia 27 de agosto foi movida uma ação em que o político é acusado de enriquecimento ilícito e é pedida a perda de direitos políticos, isto é, que se possa candidatar a cargos políticos.

Segundo as últimas sondagens, em caso de Haddad concorrer no lugar de Lula, seria o quinto classificado, com cerca de 4% de intenções de voto.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.