Haddad, o plano B de Lula, é acusado de corrupção

Fernando Haddad, o provável candidato a presidente do Brasil pelo PT no lugar de Lula, foi acusado pelos crimes de corrupção, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Fernando Haddad, atual candidato a vice-presidente pelo Partido dos Trabalhadores, e possível substituto de Lula da Silva, caso se confirme que o antigo presidente não possa concorrer, é o mais recente político brasileiro a contas com a justiça.

Segundo o procurador Marcelo Batlouni Mendroni, Haddad é suspeito de ter recebido da empresa UTC Empreiteira 2,6 milhões de reais enquanto presidente da Câmara de São Paulo e que terão servido para pagar dívidas ca campanha eleitoral de 2012.

"Solicitou e recebeu indiretamente vantagem indevida de 2,6 milhões de reais. Depois, agiu por interpostas pessoas de forma a dissimular a natureza, a origem, a localização e a movimentação dos valores provenientes, direta e indiretamente, daquela infração penal", lê-se na acusação, citada pelo Estado de São Paulo.

Esta investigação nasceu de outra sobre a empresa de construção UTC, de Ricardo Pessoa, ligada à Lava-Jato.

Além de Haddad e Pessoa, foram ainda acusados o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, o operacional Alberto Youssef (o "doleiro"), o antigo deputado estadual do PT Francisco Carlos de Souza, Chicão, e o ex-diretor financeiro da construtora Walmir Pinheiro.

Esta não é a primeira acusação do Ministério Público contra Haddad. No dia 27 de agosto foi movida uma ação em que o político é acusado de enriquecimento ilícito e é pedida a perda de direitos políticos, isto é, que se possa candidatar a cargos políticos.

Segundo as últimas sondagens, em caso de Haddad concorrer no lugar de Lula, seria o quinto classificado, com cerca de 4% de intenções de voto.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.