Há perto de 70 mil centenários no Japão e quase 90% são mulheres

Governo japonês atribui o máximo histórico aos avanços da medicina e aumento da consciência dos cidadãos sobre a saúde

O número de centenários atingiu este mês um máximo histórico no Japão, onde 69.785 pessoas vivem há 100 ou mais anos e uns esmagadores 88,1% são mulheres, anunciou o Governo nipónico.

O número foi avançado, como já é habitual, na terceira segunda-feira do mês de setembro, data em que se celebra o Dia do Idoso no Japão.

Este ano, e com mais 2.014 centenários do que em 2017, o Ministério da Saúde, do Trabalho e do Bem-Estar japonês atribuiu o recorde aos avanços da medicina e ao aumento da consciência sobre a saúde.

Entre os japoneses que atingiram a barreira dos 100 anos, há uma esmagadora maioria: 61.454 mulheres contra 8.331 homens, incluindo o antigo primeiro-ministro Yasuhiro Nakasone, que cumpriu um século em maio.

Desde 1971 que o número de centenários cresce todos os anos neste país asiático, conhecido há muito pela longevidade dos seus habitantes.

Estima-se que daqui a cinco anos vivam mais de 100 mil centenários naquele país, e daqui a uma década mais de 170 mil. As previsões são do Instituto Nacional de Pesquisa sobre a População.

Aos 115 anos e 258 dias, a japonesa Kane Tanaka é hoje a mulher mais velha do país e, desde abril, a pessoa mais velha do mundo, de acordo com a associação norte-americana Gerontology Research Group (GRG).

Por sua vez, o homem mais velho é Masazo Nonaka, com 113 anos e 54 dias. Nonaka nasceu a 25 de julho de 1905 na ilha de Hokkaido, onde ainda vive numa pousada com fontes termais igualmente centenárias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.