Guterres diz que Nações Unidas "podiam fazer mais com menos"

Secretário-geral da ONU defendeu no Fórum Económico Mundial uma "nova geração de parcerias" com o setor privado para concretizar objetivos do desenvolvimento sustentável.

O setor privado é vital para garantir o desenvolvimento sustentável e ajudar na prevenção de conflitos, que continuam a ser uma das maiores, se não a maior, ameaça na atualidade, afirmou ontem António Guterres no penúltimo dia do Fórum Económico Mundial, a decorrer em Davos.

O secretário-geral das Nações Unidas notou que o desenvolvimento sustentável pode ser uma arma fundamental no combate ao terrorismo que "recruta jovens desempregados em muitas partes do mundo". Estes são mesmo a "principal fonte de recrutamento", sublinhou Guterres, num momento em que "as condições de vida melhoraram bastante" e a "pobreza absoluta diminuiu" mas, em paralelo, "as desigualdades se acentuaram" de forma gritante. Um fenómeno que criou uma "tremenda frustração" nas pessoas e contribuiu para tornar ainda maior o fosso entre as pessoas e os políticos e "também com organizações como a ONU".

Apresentado pelo fundador do Fórum de Davos, Klaus Schwab, Guterres defendeu a necessidade de uma reforma da organização que dirige. "As Nações Unidas são burocráticas. É possível fazer mais com menos", disse, enumerando as áreas em que quer avançar nas mudanças: reforma da sua arquitetura e das suas estruturas e das regras de gestão e funcionamento. Para o primeiro caso deu o exemplo das missões de manutenção de paz "em países onde não há paz alguma para manter e as forças da ONU acabam por se tornar uma das partes no conflito". Sobre as regras de gestão e funcionamento lembrou que o próprio secretário-geral não pode criar "um cargo de nível mínimo sem passar pela Assembleia Geral" para ter a necessária autorização.

O outro aspeto central da intervenção de Guterres foi a defesa de "uma nova geração de parcerias" com o "mundo empresarial", tendo em vista as áreas do desenvolvimento sustentável referidas na Agenda 2030 da ONU e no Acordo de Paris sobre o clima. Para o secretário-geral da organização deve existir um "alinhamento do mundo empresarial" com a estratégia e as prioridades da comunidade internacional naquelas áreas. O setor privado é fundamental, disse Guterres, pois "sem este não haverá inovação" nem a criação de emprego. "Só uma forte parceria entre os governos e o setor privado criará soluções", disse com ênfase.

Noutro ponto da sua intervenção, Guterres notou que o problema dos refugiados e migrantes "veio para ficar", lembrando que a proteção dos primeiros "está consagrada nas leis nacionais" e "é dever dos Estados em conceder" essa proteção. Em relação com a chegada de grande número de pessoas, principalmente, às sociedades europeias, o secretário-geral da ONU salientou que, de modo geral, estas são "multiétnicas, multirreligiosas e multiculturais" e esta "diversidade" deve ser entendida "como uma riqueza", não uma ameaça.

Guterres não deixou de ter uma reflexão sobre o cargo que desempenha, explicando que, na sua visão, o secretário-geral deve estar "pessoalmente envolvido" nas tentativas de se "conseguir a resolução, pelo menos, de alguns conflitos".

Em Davos está também o primeiro-ministro António Costa que manteve ontem contactos para apresentar Portugal como destino privilegiado de investimentos. A generalidade dos encontros foram à porta fechada, mas após uma reunião com a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, Costa disse à Lusa que a "primeira mensagem foi de congratulações" por Portugal ter tido "um resultado surpreendente para aquilo que eram as previsões iniciais do FMI" e pelo trabalho desenvolvido do executivo "não só para a consolidação orçamental, mas também para a criação de emprego, para o crescimento económico e para a estabilização do sistema financeiro".

Ler mais

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."