Guterres critica Trump: "A imigração é uma coisa boa e sem ela os Estados Unidos não existiam"

O secretário-geral da ONU deixou esta tarde recado a Donald Trump em encontro com a comunidade portuguesa em Washington

Num encontro com a comunidade portuguesa em Washington António Guterres afirmou que "a imigração é uma coisa boa e sem ela os Estados Unidos não existiam", no que pode ser interpretado como uma referência aos mais recentes acontecimentos na fronteira entre os Estados Unidos e o México onde milhares de crianças foram separadas dos seus pais ao serem detidos por tentarem entrar ilegalmente no país.

O secretário-geral das Nações Unidas estava a falar na primeira cimeira da Palcus - Portuguese American Leadership Council.

No seu discurso Guterres criticou os países que usam os imigrantes como bodes expiatórios dos seus problemas - como acontece em vários países europeus - e alertou para os perigos destes "tempos difíceis".

"Nunca uma campanha contra a imigração pôs alguém no poder" em Portugal

António Guterres elogiou Portugal, um país onde "nunca uma campanha contra a imigração pôs alguém no poder" e afirmou-se "muito orgulhoso disso". "Isso tem a ver com a capacidade portuguesa de sermos cosmopolitas", mas também "do investimento que é feito na coesão e integração" das pessoas. É também por isso que as pessoas "querem ir viver em Portugal".

Os elogios do ex-primeiro ministro português estenderam se à comunidade portuguesa - "forte e dinâmica" - de que este encontro é exemplo. Reunidos em Washington estão mais de 300 portugueses de sucesso. Além dos empresários, também membros eleitos da comunidade como Jim Costa, congressista da Califórnia e Devin Nunes, que dirige o comité de Intelligência do Congresso e tem sido polémico apoiante das políticas de Donald Trump.

Segundo os dados do Palcus há mais de cem membros eleitos, portugueses, nos EUA. O que, segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Santos Silva, também presente no encontro, significa que estamos a fazer "melhor lóbi".

O orgulho de ser português foi a tónica mais importante no encontro - orgulho que o secretário-geral das Nações Unidas disse sentir cada vez mais. "Quanto mais ando à volta do mundo mais me orgulho tenho de ser português e dos portugueses."

A jornalista viajou a convite da FLAD

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).