Guru económico de Bolsonaro suspeito de corrupção

Ministério Público investiga indícios de ganho excessivos de Paulo Guedes em negócio com fundos de pensão de entidades estatais. O visado ainda não comentou

O Ministério Público Federal investiga Paulo Guedes, o guru económico por trás da campanha de Jair Bolsonaro, por suspeita de fraude de mil milhões de reais, algo em torno de 230 milhões de euros. Para os investigadores da Operação Greenfiled "há indícios relevantes de que entre fevereiro de 2009 e junho de 2013, diretores de fundos de pensão (...) se consorciaram com o empresário Paulo Roberto Nunes Guedes (...) a fim de cometerem crimes de gestão fraudulenta ou temerária de instituições financeiras".

Ainda de acordo com o Ministério Público, Guedes ter-se-ia associado a executivos do PT, partido de Fernando Haddad, candidato rival de Bolsonaro na segunda volta das presidenciais, e do MDB, do ainda presidente Michel Temer, para executar a suposta fraude.

A suspeita, em traços gerais, é de que o negócio tenha sido aprovado sem análise adequada e gerado ganhos excessivos para Paulo Guedes.

O Ministério Público deu 10 dias para as partes envolvidas apresentarem documentos que provem não tiver havido fraude.

O jornal Folha de S. Paulo, que noticiou o caso, não obteve resposta de Guedes nem da sua assessoria.

O gestor, considerado um dos mais liberais economistas do Brasil, está indicado para o cargo de ministro da fazenda, as finanças, de um eventual governo liderado por Bolsonaro. Admitindo que não domina perfeitamente a área económica, o candidato a presidente que obteve 46% dos votos na primeira volta das presidenciais, contra 29% de Haddad, endossa sempre as questões financeiras para Guedes.

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.