Grupo criminoso duplica "exército" para enfrentar guerra com rival em 2018

Primeiro Comando da Capital quer chegar a 40 mil membros até ao fim do ano, quando guerra com o Comando Vermelho atingir o auge.

Nas celas das prisões e nas bocas de fumo (ponto de venda de droga) das favelas de todo o Brasil, a palavra de ordem é "juntem-se a nós". O Primeiro Comando da Capital (PCC), maior organização criminosa do Brasil, iniciou nas últimas semanas uma campanha de filiação de novos membros para fazer frente à guerra contra o Comando Vermelho (CV), a segunda força do crime brasileiro, e suas associadas no país. PCC e CV, que se toleravam até junho do ano passado, estão em conflito por causa de uma operação conjunta que não funcionou como o esperado.

O objetivo do PCC, cuja sede é em São Paulo, é chegar a 40 mil membros até aos primeiros dias de 2018 e assim duplicar o tamanho do seu "exército". Para isso, teve de suavizar as condições de inscrição, chamadas de "batismo" na organização. Pelas antigas regras, quem quisesse integrar o PCC tinha de ser convidado por um membro antigo, que se tornaria o seu "padrinho" e responderia pelos atos do "afilhado", e ser aprovado por mais outros dois; agora, a ideia é filiar sem a figura do "padrinho" nem a necessidade de segunda e de terceira assinaturas. A polícia chama a política de "batismo desenfreado".

"Eles estão pegando qualquer um", disse ao portal UOL o promotor de justiça Lincoln Gakiya, integrante do grupo de atuação especial contra o crime organizado. "Na região norte do país e no Rio de Janeiro, eles têm abdicado dos "padrinhos", noutros lugares, como Santa Catarina ou Rio Grande do Norte, eles fizeram batizados coletivos." No Ceará, estado mais próximo da Europa e da costa africana, o número de associados passou de 250 para 2500. "Eles privilegiam os estados fronteiriços ou com portos que permitam o tráfico internacional para Europa, África e Ásia", acrescentou outra fonte oficial à reportagem do UOL. As autoridades começaram a intercetar mensagens entre as cúpulas do PCC sobre a estratégia de expansão desde o fim do ano passado.

Para Mário Christino, autor do livro Laços de Sangue, a História Secreta do PCC, não é garantido que a organização ganhe com o aumento indiscriminado do seu exército: "Recrutar sem critério é um risco a longo prazo." Risco no duplo sentido: quem se alista no PCC sabe que não há vida pós-crime. "Os caras vão morrer na prisão, como morreram os dos massacres de Manaus e outros no ano passado", diz Christino.

Esses massacres, que envolveram presos queimados vivos, decapitações, asfixias e outras mortes macabras, sucederam-se ao longo de meses do ano passado, não só na capital do Amazonas mas também no Roraima, Rondónia, Acre, Ceará e outros estados. Em causa está a guerra entre PCC e CV, sediado no Rio de Janeiro. Uma guerra que começou na cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero, na fronteira entre o Paraguai e o Brasil, quando o traficante Jorge Toumani, que dominava sozinho a região sem prestar contas às duas organizações, foi morto por uma rajada de mais de cem tiros, incluindo alguns de uma metralhadora antiaérea, disparados por homens do PCC e do CV. Após a execução, o CV apercebeu-se de que o PCC, em vez de partilhar a região em causa, passou a dominá-la sozinho. Os cariocas aliaram-se então a pequenos grupos criminosos espalhados pelo Brasil numa guerra aberta contra os paulistas, que tentarão agora retaliar num 2018 que as autoridades preveem sangrento.

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.