Grávida e filha mortas por míssil israelita em Gaza após ataque do Hamas

Israel bombardeou Faixa de Gaza em resposta a rockets que foram disparados pelo grupo radical palestiniano Hamas

Foi uma noite de violência para os habitantes da Faixa de Gaza e das localidades israelitas vizinhas desta parte dos territórios palestinianos. O Hamas, movimento radical palestiniano que é contra o Estado de Israel, disparou 180 rockets a partir de Gaza. Em resposta, Israel realizou 150 bombardeamentos sobre aquela parte dos territórios palestinianos.

Há, neste momento, três mortos a reportar. Entre eles estão uma mulher palestiniana grávida, de 23 anos, bem como a filha desta, 18 meses. O marido ficou ferido quando um dos mísseis israelitas caiu sobre a casa da família em Deir Al Balah, no centro de Gaza, informou o porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, Ashraf al-Qdra, citado pelas agências internacionais. A AFP identificou a mulher como Enas Khammash, a filha como Bayan e o marido como Etnas Khammash.

A outra vítima mortal é um palestiniano de 50 anos, segundo as mesmas fontes, havendo inúmeros danos materiais de ambos os lados.

A tensão israelo-palestiniana volta a estar em alta com esta troca de disparos entre o Hamas e Israel.

"As forças de resistência estão a fazer o que têm a fazer como parte da sua missão de proteger o povo palestiniano da agressão israelita. O ataque brutal de Israel, tomando civis como alvo, não será tolerado em silêncio e a ocupação vai pagar o preço", disse esta quinta-feira o porta-voz do Hamas, Abed Lateef Kano, citado pelo jornal israelita Haartez.

"Não desejamos a guerra e não estamos interessados em mais confronto mas, ao mesmo tempo, poderá acontecer porque nós não faremos concessões ao Hamas", declarou o ministro e membro do Conselho de Segurança israelita Yuval Steinitz, à rádio israelita, citado pela Reuters.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, agendou para esta manhã uma reunião com o ministro da Defesa e o chefe do estado maior israelita, antes de realizar, às 16.00, 14.00 em Lisboa, uma reunião com o Conselho de Segurança sobre Gaza, avançou o Haaretz.

Netanyahu tem tido todo o apoio do presidente dos EUA, Donald Trump, nas suas posições sobre o conflito israelo-palestiniano. O processo de paz está há anos em ponto morto e as divisões entre palestinianos, com o Hamas a liderar em Gaza e a Fatah na Cisjordânia, também não ajudam.

No Twitter, o enviado especial dos EUA para o Médio Oriente, Jason Greenblatt, apontou o dedo ao Hamas. "O regime do Hamas está a lançar rockets contra as comunidades israelitas. Outra noite de terror e famílias aterrorizadas pelo medo enquanto Israel se defende. O Hamas está a submeter as pessoas a condições terríveis de guerra uma vez mais".

O enviado da ONU para o Médio Oriente, Nickolay Mladenov, declarou durante a noite em comunicado: "Estou profundamente alarmado pela recente escalada de violência entre Gaza e Israel e, em particular, pelos rockets disparados contra as comunidades no sul de Israel".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.