Governo alemão oferece dinheiro a refugiados que queiram voltar a casa

Migrantes que aceitem regressar recebem subsídio de 1200 euros durante um ano

O governo alemão pretende apoiar os refugiados, que viram os seus pedidos de asilo rejeitados, a regressar aos seus países de origem com um subsídio de 3.000 euros, revela hoje o jornal Bild.

O ministro do Interior avança que os interessados podem candidatar-se até 28 de fevereiro do próximo ano e que o dinheiro lhes será entregue assim que regressem a casa.

Aos migrantes que aceitarem regressar aos seus países antes mesmo que o seu pedido de asilo seja rejeitado ser-lhes-á oferecido um subsídio de 1.200 euros por adulto, e 600 por criança, num outro programa que tem duração de um ano. Atualmente podem inscrever-se nos dois programas de ajuda.

A edição de hoje do Bild am Sonntag refere que 8.639 migrantes participaram no programa de refugiados entre fevereiro e outubro, apesar de haver cerca de 115.000 pedidos de asilo rejeitados na Alemanha, muitos dos quais não podem ser deportados por razões humanitárias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...