"Não somos estúpidos". General diz que pode recusar ordem "ilegal" de Trump

Os 'tweets' provocadores de Trump dirigidos a Pyongyang levantaram preocupações quanto a um ataque nuclear

O chefe do Comando Estratégico dos Estados Unidos afirmou que uma ordem do Presidente Donald Trump ou de qualquer um dos seus sucessores para lançar armas nucleares pode vir a ser recusada se for considerada ilegal.

O general da Força Aérea, John Hyten, chefe do Comando Estratégico dos Estados Unidos, disse no sábado, no Fórum Internacional de Segurança de Halifax, Nova Escócia, Canadá, que já pensou muito no assunto e que sabe perfeitamente o que faria caso recebesse uma ordem para avançar com um ataque ilegal.

"Acho que algumas pessoas pensam que nós somos estúpidos. Não somos estúpidos. Pensamos muito nestas coisas. Quando temos este topo de responsabilidades, como não pensar nestas coisas?", afirmou quando questionado acerca de um cenário desses. "Podia ir para a prisão o resto da vida", disse.

"Se é ilegal, adivinhe o que vai acontecer. Eu vou dizer: 'Senhor Presidente, isso é ilegal'. E adivinhe o que ele vai fazer? Ele vai dizer: "O que seria legal?", disse o general, citado pelas agências noticiosas.

"E vamos encontrar opções com uma combinação de capacidades para responder a qualquer que seja a situação, e é assim que funciona", acrescentou.

Na eventualidade de Trump decidir lançar um ataque nuclear, John Hyten diz que lhe proporcionaria opções de um ataque legal. O comando controlaria as forças nucleares numa guerra.

Os comentários do general surgem numa altura em que a ameaça de ataque nuclear da Coreia do Norte é uma preocupação séria, com os críticos de Trump a questionarem o temperamento do Presidente dos Estados Unidos.

Os 'tweets' provocadores de Trump dirigidos a Pyongyang levantaram preocupações principalmente entre os democratas do Congresso, de que o presidente norte-americano pode estar a incitar uma guerra contra a Coreia do Norte.

Durante o testemunho perante o Comité de Relações Exteriores no início deste mês, o general reformado Robert Kehler, que foi chefe do Comando Estratégico de janeiro de 2011 a novembro de 2013, também disse que as forças armadas dos EUA estão obrigadas a seguir ordens legais e não ilegais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?