"Não somos estúpidos". General diz que pode recusar ordem "ilegal" de Trump

Os 'tweets' provocadores de Trump dirigidos a Pyongyang levantaram preocupações quanto a um ataque nuclear

O chefe do Comando Estratégico dos Estados Unidos afirmou que uma ordem do Presidente Donald Trump ou de qualquer um dos seus sucessores para lançar armas nucleares pode vir a ser recusada se for considerada ilegal.

O general da Força Aérea, John Hyten, chefe do Comando Estratégico dos Estados Unidos, disse no sábado, no Fórum Internacional de Segurança de Halifax, Nova Escócia, Canadá, que já pensou muito no assunto e que sabe perfeitamente o que faria caso recebesse uma ordem para avançar com um ataque ilegal.

"Acho que algumas pessoas pensam que nós somos estúpidos. Não somos estúpidos. Pensamos muito nestas coisas. Quando temos este topo de responsabilidades, como não pensar nestas coisas?", afirmou quando questionado acerca de um cenário desses. "Podia ir para a prisão o resto da vida", disse.

"Se é ilegal, adivinhe o que vai acontecer. Eu vou dizer: 'Senhor Presidente, isso é ilegal'. E adivinhe o que ele vai fazer? Ele vai dizer: "O que seria legal?", disse o general, citado pelas agências noticiosas.

"E vamos encontrar opções com uma combinação de capacidades para responder a qualquer que seja a situação, e é assim que funciona", acrescentou.

Na eventualidade de Trump decidir lançar um ataque nuclear, John Hyten diz que lhe proporcionaria opções de um ataque legal. O comando controlaria as forças nucleares numa guerra.

Os comentários do general surgem numa altura em que a ameaça de ataque nuclear da Coreia do Norte é uma preocupação séria, com os críticos de Trump a questionarem o temperamento do Presidente dos Estados Unidos.

Os 'tweets' provocadores de Trump dirigidos a Pyongyang levantaram preocupações principalmente entre os democratas do Congresso, de que o presidente norte-americano pode estar a incitar uma guerra contra a Coreia do Norte.

Durante o testemunho perante o Comité de Relações Exteriores no início deste mês, o general reformado Robert Kehler, que foi chefe do Comando Estratégico de janeiro de 2011 a novembro de 2013, também disse que as forças armadas dos EUA estão obrigadas a seguir ordens legais e não ilegais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.