Furacão Florence já está a provocar chuvas e ventos fortes na Carolina do Norte

A tempestade encontra-se a 180 quilómetros a este-sudeste de Wilmington, na Carolina do Norte, e a 270 quilómetros a leste de Myrtle Beach, na Carolina do Sul

O furacão Florence, cuja intensidade diminuiu ligeiramente nas últimas horas de hoje, está a provocar chuvas intensas e ventos fortes na costa sudeste da Carolina do Norte, nos Estados Unidos da América.

Com ventos na ordem dos 165 quilómetros/hora, o Florence deverá alcançar terra a partir de sexta-feira à tarde em algum ponto da costa sudeste da Carolina do Norte, indicou o Centro Nacional de Furacões norte-americano (NHC, na sigla original), num boletim emitido às 14:00 locais (19:00 em Lisboa).

A tempestade encontra-se a 180 quilómetros a este-sudeste de Wilmington, na Carolina do Norte, e a 270 quilómetros a leste de Myrtle Beach, na Carolina do Sul.

O Florence, que chegou a ter ventos máximos de 220 quilómetros/hora como furacão de categoria 4, baixou para categoria 2 na escala de intensidade de Saffir-Simpson, de um máximo de 5, e continuou a enfraquecer ligeiramente.

Apesar da perda de força, os peritos alertam que se trata de um sistema de grande tamanho, muito bem organizado, que mantém o seu potencial destrutivo pelo perigo de marés ciclónicas, inundações e precipitações intensas, à sua passagem.

A Agência Federal para a Gestão de Emergências apontou que o maior perigo que representa a tempestade é a "tremenda quantidade de água" que descarregará ao passar pela Carolina do Norte, Carolina do Sul e Virgínia, na costa leste dos EUA.

Segundo o provável padrão de trajetória, de acordo com o NHC, o olho do furacão aproxima-se hoje à tarde das costas das Carolinas e esta noite ou sexta-feira deverá mover-se para perto ou sobre a costa sul da Carolina do Norte e leste da Carolina do Sul.

Não são esperadas grandes alterações na intensidade do sistema antes que o seu olho toque terra, na costa sudeste norte-americana, com uma debilitação progressiva à medida que se mova terra dentro.

Áreas que são normalmente secas perto da costa deverão inundar-se

Com a aproximação aos EUA do Florence, cujos ventos e chuvas já começaram a sentir-se hoje, o NHC emitiu um aviso de furacão abrangendo as duas Carolinas e uma vigilância de furacão na Carolina do Sul e do Norte e até à fronteira com a Virgínia.

Mantém-se um aviso de maré ciclónica na zona, com o NHC a alertar para a "possibilidade de inundações que ameaçam a vida" devido a um aumento do nível do mar, "movendo-se terra dentro".

Devido a esta perigosa maré ciclónica, áreas que são normalmente secas perto da costa deverão inundar-se devido a um aumento do nível do mar, que poderá alcançar até quatro metros, com possíveis "ondas grandes e destruidoras".

Além do Florence, no nordeste do Atlântico está ativa a Helene, que desceu de furacão para tempestade tropical nas últimas horas.

A Helene arrasta ventos máximos de 110 km/h e desloca-se em direção ao norte do Atlântico, com uma velocidade de 22 km/h, pelo que não representa uma ameaça para zonas populosas.

A tempestade estava àquela hora a 1.825 quilómetros a sudoeste da base aérea das Lajes, na ilha Terceira, nos Açores, e os peritos estimam que deverá continuar a perder força nas próximas 72 horas.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, os efeitos do Helene deverão começar a fazer-se sentir a partir da tarde de sábado no grupo ocidental dos Açores, ilhas das Flores e do Corvo.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?