França/Ataque: Chekatt jurou lealdade ao grupo Estado Islâmico

O autor do ataque de 11 de dezembro no mercado de Natal de Estrasburgo, Cherif Chekatt, jurou lealdade ao grupo extremista Estado Islâmico, num vídeo apreendido pela polícia, disse uma fonte judicial à agência France-Presse.

A fonte judicial ouvida pela AFP precisou que o vídeo estava num dispositivo de armazenamento USB, vulgarmente designado por 'pen', que pertencia a Chekatt.

A informação suscita questões sobre se o autor do ataque, que fez cinco mortos e 11 feridos, estava a ser devidamente vigiado pelas autoridades, que o caracterizaram como um delinquente comum e afastaram ligações ao terrorismo.

Depois de Chekatt ter sido abatido a tiro pela polícia, após dois dias em fuga, o ataque foi reivindicado pela agência de propaganda do grupo extremista, a Amaq, reivindicação que foi qualificada de "totalmente oportunista" pelo ministro do Interior francês, Christophe Castaner, que assegurara anteriormente não haver indícios de ligações a redes terroristas.

O pai de Chekatt, contudo, afirmou à imprensa que o filho era um defensor das ideias do Estado Islâmico.

Cherif Chekatt, 29 anos, disparou indiscriminadamente sobre pessoas que passeavam no mercado de Natal no centro de Estrasburgo, leste de França, e fugiu do local, acabando por ser detetado e morto a tiro pela polícia dois dias depois, num bairro da cidade.

A polícia deteve sete pessoas próximas do autor do ataque, uma das quais, um homem de 38 anos, está em prisão preventiva.

Seis outras pessoas detidas, incluindo os pais do atacante de 29 anos e dois dos seus irmãos, foram libertadas "por falta de elementos incriminatórios".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?