Foto de homem a abraçar bombeiro que se tornou símbolo da tragédia em barragem é de 2011

Imagem atribuída ao Corpo de Bombeiros de Minas Gerais foi partilhada nas redes sociais em solidariedade às vítimas do rebentamento em Brumadinhos, mas foi tirada há oito anos e noutro local.

Sem camisa e ainda sujo de lama, um homem abraça o bombeiro que o salvou. A imagem rapidamente se tornou símbolo da tragédia na barragem de Brumadinhos, que rebentou na sexta-feira, tendo feito pelo menos 84 mortos e 276 desaparecidos. Muitas pessoas partilharam a imagem nas redes sociais em solidariedade com as vítimas e em homenagem aos socorristas que trabalham sem descanso na região afetada pelas torrentes de lama.

Assinada Aislan Henrique, do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, a fotografia foi na verdade tirada em 2011, quando um agricultor caiu numa cisterna de 17 metros e foi salvo por um bombeiro de Patos de Minas. De acordo com o jornal Estado de Minas, agricultor e bombeiro reencontraram-se cinco anos depois do salvamento.

A imagem do abraço foi republicada no Twitter dos Bombeiros dois dias antes do desastre em Brumadinho com a seguinte mensagem: "Aquele abraço de gratidão que dispensa as palavras, enobrece nosso trabalho e nos faz pessoas melhores. Bombeiro Militar, o amigo certo nas horas incertas!".

Neste novo post, o fundo foi cortado, desaparecendo o camião dos bombeiros, pessoas e uma casa, ficando apenas o abraço dos dois homens.

E se no primeiro dia, a imagem recebeu 359 gostos, tendo sido partilhada 83 vezes, no dia do rompimento da barragem de Brumadinhos rapidamente a imagem começou a aparecer nas redes sociais de vários políticos, do senador Álvaro Dias ao deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, passando pelo ministro Marcos Pontes. Mas terá talvez sido a partilha do surfista Gabriel Medina, que tem sete milhões de seguidores no Instagram, a contribuir para a disseminação da foto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.