Filipe Vasconcelos Romão: "Entramos num terreno às escuras"

Especialista nos nacionalismos espanhóis, Filipe Vasconcelos Romão é professor de Relações Internacionais da Universidade Autónoma de Lisboa e professor convidado do ISCTE e da Universidade ORT do Uruguai. Critica a forma como Mariano Rajoy desvalorizou o tema e a irresponsabilidade de Carles Puigdemont.

O que deverá acontecer nos próximos dias?

A estratégia do governo foi assumir que os departamentos e a presidência do govern passem a estar na órbita de competências de cada ministério, para não passar a ideia da nomeação de um governador. Na prática deverá lá estar alguém a exercer funções, porque cada ministro não pode estar lá. O artigo 155.º não tem regulamentação, não há uma lei orgânica que desenvolva e que permita dar enquadramento àquele artigo. O PP conta com maioria absoluta no Senado e o único critério é que esta resolução tenha de passar no Senado, pelo que agora a faca e o queijo estão nas mãos do governo espanhol. E entramos num terreno às escuras, porque nada disto foi antes aprovado nem aplicado.

Como avalia o governo de Rajoy na gestão desta crise?

Face a esta política de factos consumados, neste momento não tinha nada mais a fazer. Não podemos isolar esta crise de todo o contexto, nos últimos cinco ou seis anos, em que Mariano Rajoy e o governo do PP pura e simplesmente não quiseram desenvolver qualquer passo para impedir esta deriva. E é em parte responsável ao ter recorrido para o Tribunal Constitucional (TC) sobre o estatuto da Catalunha, na sua luta contra o governo de Zapatero. O TC acabou por validar o recurso e isso é um dos primeiros passos formais para o problema da Catalunha. Em resumo, o governo de Mariano Rajoy foi absolutamente irresponsável na relação do Estado com a Catalunha, sobretudo durante a crise, e hoje, face a estes dados, não teria outra solução que não a aplicação do artigo 155.º. E sobretudo podia não ter atuado no dia 1 de outubro [dia do referendo] de forma espalhafatosa. Espero que não volte a atuar dessa forma e que não utilize o artigo 155.º para continuar aquela ação repressiva, que foi a maior vitória do independentismo.

A essa vitória sucedeu-se a fuga para a frente com a votação da independência no parlament.

Foi uma vitória desperdiçada, ao manter de forma dogmática um processo que não tem qualquer forma jurídica para andar. É uma ação inconsequente e irresponsável. Conjugada com a possibilidade da convocação de eleições, demonstra que Puigdemont está na posição de cata-vento, a oscilar entre setores do nacionalismo que não queriam chegar a esta via e a outros que, de forma radicalizada, queriam chegar a este ponto.

Se Puigdemont tivesse convocado eleições evitaria a deriva...

Ou avançaria para ela validado por um aumento do peso eleitoral desses partidos. Mas representam menos de 50% dos votos e não há nenhuma sondagem que mostre de forma clara que haja hoje mais gente a favor. E talvez seja por isso que os setores mais radicais não pretendam eleições neste momento. Se dois terços do eleitorado votasse nestes partidos, o governo de Rajoy seria muito mais complicada.

A mediação internacional da UE é uma via possível?

Não há outra via que não a que respeite a soberania do Estado espanhol. Nenhuma instituição europeia se vai atravessar com uma mediação que não seja pretendida por Espanha. A mediação é sinónimo de internacionalização do conflito, e se o governo continuar com a narrativa escudada pela Constituição que é um problema do Estado espanhol, essa mediação não vai existir. Também é uma ficção criada pelo independentismo, como acreditou que o PSOE não iria apoiar Rajoy, e apoiou, ou que o Podemos ia validar a independência, e não validou. Vamos de ficção em ficção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.