"Falso diagnóstico" de bicos de papagaio nos pés livrou Trump do Vietname

As filhas de um médico podólogo, que já morreu, garantem que o seu pai ajudou Donald Trump a livrar-se do serviço militar no Vietname

Elysa Braunstein e Sharon Kessel, filhas de Larry Braunstein, afirmaram ao New York Times que, em 1968, o seu pai fez, a título de "favor", um falso diagnóstico de osteófitos - vulgo bicos de papagaio - nos pés, que terá permitido ao agora presidente dos Estados Unidos livrar-se do serviço militar.

Em troca, segundo as duas filhas do médico, Barry obteve acesso a Fred Trump, pai de Donald Trump e proprietário do prédio de Queens no qual funcionava o seu consultório. "Se houvesse alguma coisa errada no prédio, o meu pai ligava a Trump, que tratava do assunto imediatamente. Este foi o pequeno favor que recebeu", disse Elysa Braunstein ao jornal americano.

O New York Times não conseguiu encontrar a documentação sobre a família do médico que comprou a clínica de Braustein ou dos Arquivos Nacionais para corroborar a versão das filhas de Larry Braunstein, que morreu em 2007.

Trump teve direito a quatro adiamentos no alistamento enquanto estudava na Universidade de Fordham de Pensilvânia, embora tivesse sido dado como apto para o serviço militar em 1966. Mas em 1968 foi medicamente desqualificado, segundo o registo que se encontra no Arquivo Nacional. O livro não detalha, no entanto, o motivo pelo qual Trump reprovou no exame. O serviço de seleção destruiu todos os registos médicos e arquivos individuais, depois de em 1973 os militares passarem a ser voluntários.

Durante a campanha para a presidência dos Estados Unidos, o seu staff argumentou que teria sido dispensado do serviço militar por problemas nos pés, mas nunca foram claros sobre a razão que o fez não participar na guerra do Vietname. Trump também sempre prestou poucas declarações sobre a natureza da doença, que o deixou desqualificado para para servir as forças armadas americanas, a não ser em caso de emergência nacional.

As filhas de Larry Braunstein disseram ao New York Times que o pai, que era democrata, tal como elas, estava inicialmente orgulhoso de ter ajudado alguém famoso, mas depois ter-se-á cansado das excentricidades de Donald Trump.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.