"Falso diagnóstico" de bicos de papagaio nos pés livrou Trump do Vietname

As filhas de um médico podólogo, que já morreu, garantem que o seu pai ajudou Donald Trump a livrar-se do serviço militar no Vietname

Elysa Braunstein e Sharon Kessel, filhas de Larry Braunstein, afirmaram ao New York Times que, em 1968, o seu pai fez, a título de "favor", um falso diagnóstico de osteófitos - vulgo bicos de papagaio - nos pés, que terá permitido ao agora presidente dos Estados Unidos livrar-se do serviço militar.

Em troca, segundo as duas filhas do médico, Barry obteve acesso a Fred Trump, pai de Donald Trump e proprietário do prédio de Queens no qual funcionava o seu consultório. "Se houvesse alguma coisa errada no prédio, o meu pai ligava a Trump, que tratava do assunto imediatamente. Este foi o pequeno favor que recebeu", disse Elysa Braunstein ao jornal americano.

O New York Times não conseguiu encontrar a documentação sobre a família do médico que comprou a clínica de Braustein ou dos Arquivos Nacionais para corroborar a versão das filhas de Larry Braunstein, que morreu em 2007.

Trump teve direito a quatro adiamentos no alistamento enquanto estudava na Universidade de Fordham de Pensilvânia, embora tivesse sido dado como apto para o serviço militar em 1966. Mas em 1968 foi medicamente desqualificado, segundo o registo que se encontra no Arquivo Nacional. O livro não detalha, no entanto, o motivo pelo qual Trump reprovou no exame. O serviço de seleção destruiu todos os registos médicos e arquivos individuais, depois de em 1973 os militares passarem a ser voluntários.

Durante a campanha para a presidência dos Estados Unidos, o seu staff argumentou que teria sido dispensado do serviço militar por problemas nos pés, mas nunca foram claros sobre a razão que o fez não participar na guerra do Vietname. Trump também sempre prestou poucas declarações sobre a natureza da doença, que o deixou desqualificado para para servir as forças armadas americanas, a não ser em caso de emergência nacional.

As filhas de Larry Braunstein disseram ao New York Times que o pai, que era democrata, tal como elas, estava inicialmente orgulhoso de ter ajudado alguém famoso, mas depois ter-se-á cansado das excentricidades de Donald Trump.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.