Suécia: extinção de fogos florestais poderá demorar semanas

Objetivo das operações é evitar a propagação dos fogos enquanto se espera por uma alteração das condições meteorológicas no país, que enfrenta temperaturas extremamente elevadas

As autoridades da Suécia anunciaram hoje que a extinção dos maiores fogos florestais em curso no país, que consumiram mais de 20.000 hectares nos últimos dias, poderá demorar semanas.

O responsável da Agência de Proteção Civil sueca, Dan Eliasson, assegurou em conferência de imprensa que atualmente "os maiores fogos não podem ser extintos" e que os efetivos no terreno estão a tratar do perímetro dos incêndios.

Segundo Eliasson, o objetivo das operações de contenção é evitar a propagação dos fogos enquanto se espera por uma alteração das condições meteorológicas no país, que atualmente enfrenta temperaturas extremamente elevadas.

"Os serviços de emergência estão a trabalhar para minimizar a propagação, enquanto esperamos que o tempo mude. Isto poderá demorar semanas", afirmou Eliasson, segundo o jornal Dagens Nyheter.

O incêndio de maiores dimensões já queimou cerca de 8.500 hectares do município de Ljusdal (no centro do país), segundo cálculos dos bombeiros citados por meios de comunicação locais, que expressam a dificuldade em conter as chamas apesar da ajuda internacional.

Segundo a rádio pública sueca, "centenas de pessoas" foram obrigadas a abandonar as suas residências, por precaução, devido ao avanço das chamas nos pequenos municípios das províncias de Jämtland, Västerbotten, Gävleborg e Dalarna.

Situação "rara", admite primeiro-ministro sueco

O centro e o sul do país são os mais afetados, no entanto contam-se fogos em todo o território sueco. "A situação em que nos encontramos é rara", disse o primeiro-ministro sueco, Stefan Löfven, durante uma visita a uma das regiões mais afetadas.

No combate aos 50 incêndios florestais registados encontram-se todos os corpos de bombeiros disponíveis, incluindo os que estavam de férias, centenas de voluntários coordenados pela Cruz Vermelha e cerca de 500 soldados, auxiliados por dois helicópteros e por um avião de transporte.

A Suécia pediu na quinta-feira ajuda à União Europeia (UE), através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil. A Noruega enviou 10 helicópteros e a Itália e França forneceram dois hidroaviões cada.

A multiplicação dos incêndios em curso no país deve-se à vaga de calor pouco habitual, após semanas sem chuva, verificando-se em Upsalla, a 70 quilómetros a norte de Estocolmo, temperaturas recorde superiores a 33 graus.

Este mês já se registaram três vezes mais incêndios na Suécia do que no mesmo período do ano passado.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.