Finlândia pagou a desempregados a ver se eles procuravam emprego. Não funcionou

O estudo teve por base um grupo de 2000 desempregados, a quem era atribuído 560 euros mensais e tinha por objetivo dar maior segurança a essas pessoas para procurarem um emprego. Mas a maioria não o fez.

O governo da Finlândia apresentou os primeiros resultados relativos à experiência de implementar um rendimento básico universal de 560 euros para desempregados e a conclusão não foi animadora: não aumentou a procura de emprego entre o grupo de duas mil pessoas alvo do estudo.

A ideia que norteou esta experiência era que o nível de vida geral das pessoas melhorasse e que o incentivo de 560 euros mensal, sem nada em troca por parte do estado, fosse uma forma de procurarem emprego, algo que não aconteceu, embora o estudo revele que entre o grupo tenha aumentado os níveis de felicidade e de stress.

Baseada na Teoria da Utopia, de Thomas More, publicada em 1516, esta experiência iniciou-se em janeiro 2017 e era suposto durar dois anos, tornando-se a Finlândia no primeiro país europeu a testar esta ideia de um rendimento básico incondicional. Além do dinheiro que recebiam mensalmente, este grupo tinha direito a educação, saúde e transportes grátis, tudo com o propósito de dar segurança às classes mais desfavorecidas por forma a dar-lhes tempo para procurarem emprego ou desenvolver novas capacidades de subsistência.

Miska Simanainen, um dos investigadores deste estudo, revelou em declarações à BBC que alguns indivíduos arranjaram emprego, mas não se sentiam mais felizes do que aqueles que pertenciam ao grupo de controlo, ao qual não eram atribuídos o rendimento básico. No entanto, a maioria das pessoas não procurou emprego.

Refira-se que a atribuição deste rendimento básico universal custou ao governo finlandês 20 milhões de euros. O país do norte da Europa tem uma população de 5,5 milhões de habitantes e uma taxa de desemprego de 8,1%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.