Ex-secretário-geral da NATO Javier Solana barrado na fronteira dos EUA

Motivo apresentado: as viagens oficiais que o ex-secretário-geral da NATO fez, há décadas atrás, ao Irão, país que está agora na lista negra de Trump

O prestigiado diplomata e político Javier Solana - que foi secretário-geral da NATO entre 1995 e 1999 e Alto Representante da Política Externa e Segurança da UE, entre 1999 e 2009 - foi recentemente impedido de entrar nos EUA, por causa das novas regras de imigração da administração Trump, noticia este domingo o El País.

Isto porque Solana, durante os cerca de 15 anos em que, no exercício das suas funções oficiais, procurou concretizar a segurança e a paz no mundo enquanto responsável da NATO e da UE, visitou o Irão, pais que integra hoje a lista negra de proveniências que vedam o acesso aos EUA.

Enquanto chefe da diplomacia da UE, Solana foi um dos principais impulsionadores do acordo nuclear firmado com Irão, que foi agora rejeitado por Donald Trump.

Segundo acordos celebrados entre a Espanha e os EUA, e que estão em vigor, os espanhóis não precisam de visto para entrar nos EUA para visitas de duração inferior a 90 dias.

Tal não impediu que Javier Solana fosse barrado à entrada da alfândega norte-americana, por constar da lista negra. Solana viajara para os EUA para assistir a um evento da Brookings Institution, mais foi obrigado a tomar um avião de volta.

Ao El País, a Embaixada dos EUA em Madrid recusou comentar o incidente, mas explicou que o sistema informático recusa automaticamente a entrada a quem tiver passado, nos últimos anos - aparentemente com a larga margem de duas décadas -, o Irão, o Iraque, a Síria, o Sudão, a Líbia, a Somália e o Iémen.

Em reação, Solana recusou atribuir relevância ao incidente e diz que está já tratar das diligências para obter o necessário visto de entrada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.