Ex-funcionário da Apple acusado de passar informações à concorrência

Foi detido pelo FBI, no aeroporto de San Jose, na Califórnia, quando se preparava para viajar para a China

Xiaolang Zhang, ex-funcionário da Apple, está a ser acusado de roubar informações secretas sobre os carros autónomos da empresa fundada por Steve Jobs e de tentar fugir com os documentos para a China, com o objetivo de os passar ao novo empregador, a Xiaopeng Motors, que se dedica à produção destes veículos. Foi detido no aeroporto de San Jose, na Califórnia, a 7 de julho.

Segundo a BBC, Zhang foi contratado em 2015 pela Apple para desenvolver hardware e software para o projeto de carros autónomos da empresa. No entanto, após uma visita à China em abril deste ano, terá dito ao supervisor que desejava mudar-se para aquele país e trabalhar na Xiaopeng Motors.

Alertada pelo supervisor, a equipa de segurança da Apple descobriu que ​​​​​​​Zhang descarregou informações secretas do sistema da empresa e terá roubado hardware do laboratório de automóveis autónomos da empresa.

O ex-funcionário, que já terá admitido o roubo das informações, é acusado de descarregar um projeto de 25 páginas para o seu computador pessoal.

Zhang integrava um grupo de 2700 pessoas com acesso às bases de dados onde estava disponível informação sobre os carros autónomos.

Se for considerado culpado, incorre numa multa de 210 mil euros ou 10 anos de prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.