Ex-funcionário da Apple acusado de passar informações à concorrência

Foi detido pelo FBI, no aeroporto de San Jose, na Califórnia, quando se preparava para viajar para a China

Xiaolang Zhang, ex-funcionário da Apple, está a ser acusado de roubar informações secretas sobre os carros autónomos da empresa fundada por Steve Jobs e de tentar fugir com os documentos para a China, com o objetivo de os passar ao novo empregador, a Xiaopeng Motors, que se dedica à produção destes veículos. Foi detido no aeroporto de San Jose, na Califórnia, a 7 de julho.

Segundo a BBC, Zhang foi contratado em 2015 pela Apple para desenvolver hardware e software para o projeto de carros autónomos da empresa. No entanto, após uma visita à China em abril deste ano, terá dito ao supervisor que desejava mudar-se para aquele país e trabalhar na Xiaopeng Motors.

Alertada pelo supervisor, a equipa de segurança da Apple descobriu que ​​​​​​​Zhang descarregou informações secretas do sistema da empresa e terá roubado hardware do laboratório de automóveis autónomos da empresa.

O ex-funcionário, que já terá admitido o roubo das informações, é acusado de descarregar um projeto de 25 páginas para o seu computador pessoal.

Zhang integrava um grupo de 2700 pessoas com acesso às bases de dados onde estava disponível informação sobre os carros autónomos.

Se for considerado culpado, incorre numa multa de 210 mil euros ou 10 anos de prisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)