EUA preparam-se para anunciar saída do Conselho de Direitos Humanos da ONU

Decisão poderá ser tornada pública ainda hoje, com a embaixadora norte-americana na ONU e o Secretário de Estado a discursarem

Os EUA estão a preparar-se para abandonar o Conselho de Direitos Humanos da ONU, o que poderá ser anunciado oficialmente já esta terça-feira.

Segundo a CNN, que cita fontes oficiais e diplomáticas, em causa está o desejo dos EUA em verem o órgão ser reformado e, ainda, a existência de um alegado critério anti-Israel.

A agência Reuters escreve que o anúncio será mesmo durante o dia de hoje, dia em que a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, e o Secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, vão falar no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

As ameaças de Washington sobre um possível abandono desta instituição órgão não são novas. Há cerca de um ano, Nikki Haley disse que o país ia rever a sua presença num órgão que boicotou durante três anos - aquando da presidência de George W. Bush -, voltando em 2009, quando Barack Obama era Presidente.

O Conselho de Direitos Humanos foi criado 2006 e tem um item permanente na agenda: suspeitas de violações de direitos humanos nos territórios Palestinianos. Os EUA queriam que fosse removido.

Depois de dois mandatos de três anos - consecutivos - os EUA foram eleitos para um terceiro mandato, depois de um ano fora do órgão que tem 47 membros, que vai a meio.

Os EUA têm estado sob uma chuva de críticas internas e também internacionais na sequência das notícias que dão conta de cerca de 2 mil crianças que foram separadas dos pais devido à política de tolerância zero para com os imigrantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.