EUA preparam-se para anunciar saída do Conselho de Direitos Humanos da ONU

Decisão poderá ser tornada pública ainda hoje, com a embaixadora norte-americana na ONU e o Secretário de Estado a discursarem

Os EUA estão a preparar-se para abandonar o Conselho de Direitos Humanos da ONU, o que poderá ser anunciado oficialmente já esta terça-feira.

Segundo a CNN, que cita fontes oficiais e diplomáticas, em causa está o desejo dos EUA em verem o órgão ser reformado e, ainda, a existência de um alegado critério anti-Israel.

A agência Reuters escreve que o anúncio será mesmo durante o dia de hoje, dia em que a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, e o Secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, vão falar no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

As ameaças de Washington sobre um possível abandono desta instituição órgão não são novas. Há cerca de um ano, Nikki Haley disse que o país ia rever a sua presença num órgão que boicotou durante três anos - aquando da presidência de George W. Bush -, voltando em 2009, quando Barack Obama era Presidente.

O Conselho de Direitos Humanos foi criado 2006 e tem um item permanente na agenda: suspeitas de violações de direitos humanos nos territórios Palestinianos. Os EUA queriam que fosse removido.

Depois de dois mandatos de três anos - consecutivos - os EUA foram eleitos para um terceiro mandato, depois de um ano fora do órgão que tem 47 membros, que vai a meio.

Os EUA têm estado sob uma chuva de críticas internas e também internacionais na sequência das notícias que dão conta de cerca de 2 mil crianças que foram separadas dos pais devido à política de tolerância zero para com os imigrantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.