EUA colocam Guardas da Revolução na lista de organizações terroristas

Chefe da diplomacia iraniano já defendeu que se devem considerar "terroristas" os militares norte-americanos que operam no Médio Oriente, na Ásia Central e no Corno de África. Primeiro-ministro israelita já agradeceu decisão de Trump.

Os EUA colocaram os Guardas da Revolução iranianos na lista de organização terroristas estrangeiras, numa decisão inédita, anunciou esta segunda-feira o presidente norte-americano, Donald Trump.

Pela primeira vez, "uma organização governamental de um país fará parte da lista oficial de entidades terroristas dos EUA", anunciou hoje Donald Trump, em comunicado, referindo-se à inclusão dos Guardas da Revolução, uma divisão especial das Forças Armadas do Irão, criada após a revolução iraniana de 1979 para obedecer apenas ao guia supremo e proteger o regime.

Com esta decisão, os EUA reconhecem que "o Irão não é apenas um Estado patrocinador do terrorismo, mas (...) participa, financia e promove o terrorismo".

A designação de "organização terrorista" implica a aplicação de sanções, acrescentando a medidas punitivas que os EUA já tinham aplicado ao Irão, como o congelamento de ativos bancários e a proibição de empresas fazerem negócio com organizações iranianas.

Hoje mesmo, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, pediu a todas "as empresas e bancos do mundo" para cortarem ligações financeiras com os Guardas da Revolução.

Em final de 2018, os EUA já tinham incluído restrições na venda de petróleo, no pacote de sanções ao Irão.

Reação do Irão

Antecipando a decisão de incluir os Guardas da Revolução na lista de grupos terroristas, a própria força militar e o Parlamento iranianos avisaram, no domingo, os EUA de que adotariam represálias.

"Se os norte-americanos fizerem uma jogada tão estúpida e puserem em perigo a nossa segurança nacional, aplicaremos medidas recíprocas", sublinhou o comandante dos Guardas da Revolução, Mohamad Ali Yafari.

O general garantiu que, se os EUA declarassem os Guardas da Revolução como grupo terrorista, o Exército e as forças de segurança norte-americanas não teriam paz no Médio Oriente, segundo a televisão estatal iraniana.

Por seu lado, o Parlamento iraniano anunciara horas antes que tinha elaborado um projeto de lei para colocar o Exército norte-americano na lista de grupos terroristas, como "medida de reciprocidade".

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohammad Javad Zarif, pediu ao presidente do país, Hassan Rohani, para classificar as forças norte-americanas que operam no Médio Oriente, na Ásia Central e no Corno de África como "terroristas".

Israel agradece

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, saudou hoje a decisão dos Estados Unidos de colocarem os Guardas da Revolução na lista de organizações terroristas estrangeiras.

"Obrigado, meu caro amigo, Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por ter decidido colocar os Guardas da Revolução na lista de organizações terroristas. Obrigado por responder positivamente a outro dos meus pedidos, que atende aos interesses do nosso país e dos países da região", escreveu Benjamin Netanyahu na sua conta da rede social Twitter.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.