EUA abandonaram o Conselho de Direitos Humanos da ONU

Confirmou-se a saída dos Estados Unidos desta organização

Os Estados Unidos anunciaram oficialmente esta terça-feira que se retiram do Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas.

A declaração foi proferida pela embaixadora os EUA na ONU, Nikki Haley, afirmando que a decisão é tomada uma vez que "nenhum outro país teve a coragem de lutar" ao lado dos Estados Unidos para reformar a organização que apelidou de "hipócrita e egoísta".

"Fazemo-lo, mas quero deixar bem claro que este passo não é um recuo nos nossos compromissos relativamente aos direitos humanos", acrescentou a embaixadora, citada pela Reuters.

As ameaças de Washington sobre um possível abandono desta instituição órgão não são novas. Há cerca de um ano, Nikki Haley disse que o país ia rever a sua presença num órgão que boicotou durante três anos - aquando da presidência de George W. Bush -, voltando em 2009, quando Barack Obama era Presidente.

O Conselho de Direitos Humanos foi criado 2006 e tem um item permanente na agenda: suspeitas de violações de direitos humanos nos territórios palestinianos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.