"Eu só queria acabar com o choro dela". A história da fotografia que está a comover o mundo

John Moore, fotógrafo da Getty imagens, relata o que viu na fronteira com os EUA. "Foi doloroso para mim, como jornalista e como pai"

A criança chora junto às pernas da mãe, que é revistada por um agente das autoridades fronteiriças, de luvas roxas, na fronteira dos EUA.

John Moore é o autor da imagem que está a correr mundo, símbolo da indignação e crítica à politica de tolerância zero que Donald Trump está a impor nas fronteiras dos EUA e que tem como efeito que menores sejam separados dos pais.

"Gostaria de dizer que foi um prazer fazer estas fotos importantes, mas foi doloroso para mim, como jornalistas e como pai."

A reportagem começou quando John Moore acompanhou oficiais de patrulha em McAllen, no sul do Texas, fronteira com o México. Como explicou ao Washington Post, estava lá para fazer fotografias, não para falar com os imigrantes. A regra foi quebrada ainda antes de ter encontrado a protagonista da fotografia.

Na escuridão do vale de Rio Grande, Moore e os agentes encontraram dezenas de imigrantes prestes a pisar solo americano. Quase todos mulheres e crianças, contou. Um rapaz, entre os 10 e os 12 anos, chamou-lhe a atenção. Parecia aterrorizado. Tem mais ou menos a mesma idade que as filhas do fotógrafo. Tentou acalmá-lo, mostrou-lhe fotos do rio e disse-lhe que tudo ia correr bem, o que, agora, lamenta, "Não sei se vai correr bem", disse. Percebeu que seria uma reportagem emotiva, mas o momento mais importante aconteceria depois.

Com as famílias alinhadas para a revista policial, os seus olhos encontraram os de uma mulher que amamentava a filha no meio da estrada. Começou a tirar fotografias e ela contou-lhe a sua história. Que a filha tem dois anos e que a jornada levava um mês. Estavam sozinhas. São das Honduras, hoje um dos países mais violentos da América do Sul, dominado pela violência de gangues e perigosas rotas de imigração.

A imagem da mãe a amamentar a filha é apenas uma das várias que tirou. A que fez capa do The New York Times é aquela em que a criança olha o agente, junto às pernas da mãe. E chora, visivelmente aflita.

Uma menina a chorar enquanto a mãe é revistada

"Ainda não tinha a fotografia que mostrasse o impacto emocional da separação das famílias", explicou Moore. Pediu para acompanhar aquela mulher e a filha. Captou, por exemplo, o momento em que ela tira os atacadores dos sapatos da menina. Todos os objetos pessoais - de ganchos de cabelos, a atacadores, passando por alianças -- são guardados num saco etiquetado "Segurança Interna" e empilhados.

Quando chegou a vez de a mãe ser revistada pela polícia, a menina começou a chorar. "Eu só queria acabar com o choro dela." Foi assim que John Moore, já distinguido com um prémio Pulitzer, descreveu aquele momento.

Também percebeu que estas eram as imagens que precisava para a reportagem, capa do The New Yotk Times e do Daily News.

Cerca de 2 mil menores foram separados dos pais e a secretária de Estado da Segurança Interna justificou a medida como tendo sido "para a segurança das crianças", uma afirmação que tem sido contestada tanto pela oposição democrata como pelos republicanos, que apoiam Trump. A primeira-dama norte-americana já se manifestou contra a separação das famílias e o caso

As fotografias de Moore têm sido o ponto de partida de vários artigos de opinião. "O número de crianças levadas pela administração, usando o medo dessas crianças como forma de parar a imigração indocumentada está aparentemente a criar cidades de tendas em bases militares para as albergar", escreve Charles C. Camosy, no Times.

Richard Cohen, no Washington Post, vai mais longe. "John Moore pode ter derrotado o Partido Republicano nas intercalares e arruinado as perspetivas de reeleição do presidente Trump. (...) Não é claro que a criança tenha sido separada da mãe, e, de facto, ela tinha acabado de pôr os pés no chão para a mãe ser revistada. Os detalhes, porém, não são importantes. A fotografia, com efeito, é de Trump - da sua cruel política, do seu coração gélido, da sua falta de empatia."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.