"Eu só queria acabar com o choro dela". A história da fotografia que está a comover o mundo

John Moore, fotógrafo da Getty imagens, relata o que viu na fronteira com os EUA. "Foi doloroso para mim, como jornalista e como pai"

A criança chora junto às pernas da mãe, que é revistada por um agente das autoridades fronteiriças, de luvas roxas, na fronteira dos EUA.

John Moore é o autor da imagem que está a correr mundo, símbolo da indignação e crítica à politica de tolerância zero que Donald Trump está a impor nas fronteiras dos EUA e que tem como efeito que menores sejam separados dos pais.

"Gostaria de dizer que foi um prazer fazer estas fotos importantes, mas foi doloroso para mim, como jornalistas e como pai."

A reportagem começou quando John Moore acompanhou oficiais de patrulha em McAllen, no sul do Texas, fronteira com o México. Como explicou ao Washington Post, estava lá para fazer fotografias, não para falar com os imigrantes. A regra foi quebrada ainda antes de ter encontrado a protagonista da fotografia.

Na escuridão do vale de Rio Grande, Moore e os agentes encontraram dezenas de imigrantes prestes a pisar solo americano. Quase todos mulheres e crianças, contou. Um rapaz, entre os 10 e os 12 anos, chamou-lhe a atenção. Parecia aterrorizado. Tem mais ou menos a mesma idade que as filhas do fotógrafo. Tentou acalmá-lo, mostrou-lhe fotos do rio e disse-lhe que tudo ia correr bem, o que, agora, lamenta, "Não sei se vai correr bem", disse. Percebeu que seria uma reportagem emotiva, mas o momento mais importante aconteceria depois.

Com as famílias alinhadas para a revista policial, os seus olhos encontraram os de uma mulher que amamentava a filha no meio da estrada. Começou a tirar fotografias e ela contou-lhe a sua história. Que a filha tem dois anos e que a jornada levava um mês. Estavam sozinhas. São das Honduras, hoje um dos países mais violentos da América do Sul, dominado pela violência de gangues e perigosas rotas de imigração.

A imagem da mãe a amamentar a filha é apenas uma das várias que tirou. A que fez capa do The New York Times é aquela em que a criança olha o agente, junto às pernas da mãe. E chora, visivelmente aflita.

Uma menina a chorar enquanto a mãe é revistada

"Ainda não tinha a fotografia que mostrasse o impacto emocional da separação das famílias", explicou Moore. Pediu para acompanhar aquela mulher e a filha. Captou, por exemplo, o momento em que ela tira os atacadores dos sapatos da menina. Todos os objetos pessoais - de ganchos de cabelos, a atacadores, passando por alianças -- são guardados num saco etiquetado "Segurança Interna" e empilhados.

Quando chegou a vez de a mãe ser revistada pela polícia, a menina começou a chorar. "Eu só queria acabar com o choro dela." Foi assim que John Moore, já distinguido com um prémio Pulitzer, descreveu aquele momento.

Também percebeu que estas eram as imagens que precisava para a reportagem, capa do The New Yotk Times e do Daily News.

Cerca de 2 mil menores foram separados dos pais e a secretária de Estado da Segurança Interna justificou a medida como tendo sido "para a segurança das crianças", uma afirmação que tem sido contestada tanto pela oposição democrata como pelos republicanos, que apoiam Trump. A primeira-dama norte-americana já se manifestou contra a separação das famílias e o caso

As fotografias de Moore têm sido o ponto de partida de vários artigos de opinião. "O número de crianças levadas pela administração, usando o medo dessas crianças como forma de parar a imigração indocumentada está aparentemente a criar cidades de tendas em bases militares para as albergar", escreve Charles C. Camosy, no Times.

Richard Cohen, no Washington Post, vai mais longe. "John Moore pode ter derrotado o Partido Republicano nas intercalares e arruinado as perspetivas de reeleição do presidente Trump. (...) Não é claro que a criança tenha sido separada da mãe, e, de facto, ela tinha acabado de pôr os pés no chão para a mãe ser revistada. Os detalhes, porém, não são importantes. A fotografia, com efeito, é de Trump - da sua cruel política, do seu coração gélido, da sua falta de empatia."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.