ETA anuncia fim da organização

A organização anunciou que dissolveu "completamente todas as suas estruturas"

A ETA anunciou a decisão de encerrar o seu "ciclo histórico de 60 anos".

A informação consta de uma carta datada de 16 de abril, a que teve acesso a agência de notícias espanhola Efe, noticia o jornal El Diario Vasco.

Na carta, que foi enviada a várias instituições e agentes políticos, a ETA revela que "dissolveu completamente todas as suas estruturas e deu por terminada a sua iniciativa política".

Publicada na íntegra no site do jornal, a carta revela o reconhecimento da ETA em relação ao "sofrimento provocado em consequência" da sua luta.

"O País Basco tem agora pela frente uma nova oportunidade para encerrar definitivamente o ciclo de conflito e construir o futuro com todos", lê-se no documento. A organização apela para que não se repitam os erros. "Não deixemos que os problemas se apodreçam. Isso não seria mais do que uma nova fonte de problemas", defende a ETA.

No passado mês de abril, foi tornado público que a organização separatista basca iria anunciar a 5 de maio, próximo sábado, a sua dissolução. Uma cerimónia que deverá acontecer em Bayona, no País Basco francês.

Um dia depois, a ETA reconheceu os "danos causados" e a "responsabilidade direta" no "sofrimento excessivo" da sociedade basca durante décadas, pelo qual pediu "sinceras desculpas".

"Causámos muita dor e danos irreparáveis, queremos mostrar o nosso respeito aos mortos, feridos e vítimas das ações da ETA. Lamentamos muito", declarou a organização, num comunicado divulgado pelos jornais espanhóis Gara e Berria.

A ETA (Euskadi ta Askatasuna ou Pátria Basca e Liberdade) matou mais de 800 pessoas durante a sua campanha para criar um Estado basco independente no norte de Espanha e no sul de França.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.