Milhares de estudantes saíram das escolas em protesto contra armas de fogo

A ação, que decorreu em todo o país e foi designada "National School Walkout", quis ainda prestar homenagem às vítimas do ataque no liceu da Florida

Dezenas de milhares de estudantes norte-americanos do ensino básico e secundário saíram hoje à rua para exigir dos seus eleitos e da administração de Donald Trump medidas concretas contra as armas de fogo.

Frente à Casa Branca, em Washington, centenas de jovens fizeram ecoar as suas palavras de protesto: "Protejam o nosso futuro, não as armas de fogo" ou "Não bastam as orações", refere a agência noticiosa France-Presse.

Esta ação, que decorreu em todo o país e designada "National School Walkout", também se destina a prestar homenagem às vítimas do ataque com uma arma de assalto num liceu da Florida, um mês após o grave incidente.

A manifestação nacional iniciou-se às 10:00 locais e deveria prolongar-se por 17 minutos, um minuto por cada uma das 17 pessoas mortas a tiro em 14 de fevereiro no liceu em Parkland.

No entanto, em numerosas escolas, os estudantes decidiram prolongar a iniciativa.

Para hoje estão previstos mais de 3.000 desfiles de protesto por todo o país e ainda em diversas regiões do mundo, referiram os organizadores citados pela Associated Press (AP).

No início do protesto, o Presidente Donald Trump estava a viajar em direção a Los Angeles.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.