Milhares de estudantes saíram das escolas em protesto contra armas de fogo

A ação, que decorreu em todo o país e foi designada "National School Walkout", quis ainda prestar homenagem às vítimas do ataque no liceu da Florida

Dezenas de milhares de estudantes norte-americanos do ensino básico e secundário saíram hoje à rua para exigir dos seus eleitos e da administração de Donald Trump medidas concretas contra as armas de fogo.

Frente à Casa Branca, em Washington, centenas de jovens fizeram ecoar as suas palavras de protesto: "Protejam o nosso futuro, não as armas de fogo" ou "Não bastam as orações", refere a agência noticiosa France-Presse.

Esta ação, que decorreu em todo o país e designada "National School Walkout", também se destina a prestar homenagem às vítimas do ataque com uma arma de assalto num liceu da Florida, um mês após o grave incidente.

A manifestação nacional iniciou-se às 10:00 locais e deveria prolongar-se por 17 minutos, um minuto por cada uma das 17 pessoas mortas a tiro em 14 de fevereiro no liceu em Parkland.

No entanto, em numerosas escolas, os estudantes decidiram prolongar a iniciativa.

Para hoje estão previstos mais de 3.000 desfiles de protesto por todo o país e ainda em diversas regiões do mundo, referiram os organizadores citados pela Associated Press (AP).

No início do protesto, o Presidente Donald Trump estava a viajar em direção a Los Angeles.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.