Estudante trava deportação. "Não é certo mandar pessoas para o inferno"

Elin Ersson protestou de pé num avião no aeroporto de Gotemburgo contra a deportação de um afegão cujo pedido de asilo foi rejeitado pelas autoridades suecas

De pé contra a deportação de um afegão. Uma estudante sueca recusou-se na segunda-feira a sentar-se num avião no aeroporto de Gothenburg até que o refugiado fosse retirado do avião. E conseguiu. Elin Ersson não segurou as lágrimas durante o dramático protesto que transmitiu ao vivo no Facebook. O vídeo tornou-se viral e até esta quarta-feira já teve mais de dois milhões de visualizações.

Na verdade, a estudante e ativista não estava a tentar evitar a deportação do afegão que acabaria por ser retirado do avião por causa do protesto, mas sim um outro homem, também afegão, mas mais jovem.

Quem estava a ser deportado, conta o Guardian, era também um afegão, mas mais velho, com cerca de 50 anos, que acabou a ser retirado do avião pela porta traseira, sem que a jovem sueca o tivesse visto sair. Mas foi informada que conseguira o seu intento.

No interior do avião, com destino ao Afeganistão, Ersson, que se identifica na rede social como sendo estudante na universidade de Gotemburgo, filmava-se enquanto explicava os motivos do seu protesto. Ao longo de tensos 14 minutos, a sueca resistiu às vozes críticas de alguns dos passageiros, um dos quais até lhe tentou tirar à força o telemóvel, e às tentativas da tripulação em sentar-se.

"Estou a fazer o que posso para salvar a vida de uma pessoa"

"O que é mais importante? Uma vida ou o seu tempo? Quero que ele saia do avião porque no Afeganistão ele não está seguro. Estou a tentar mudar as leis do meu país. Não concordo com elas. Não é certo mandar as pessoas para o inferno", reagia Ersson, manifestando-se contra a política de deportação da Suécia, que considera o Afeganistão um país seguro. "Provavelmente ele vai ser morto [no Afeganistão]", alertou.

A jovem sueca não desarmou e manteve o protesto a favor do refugiado, de 52 anos. "Enquanto uma pessoa estiver de pé, o avião não pode descolar. Tudo o que eu quero é parar a deportação", sublinhava. "Estou a fazer o que posso para salvar a vida de uma pessoa".

A determinação da estudante deu resultados: o afegão acabou por ser levado para fora do avião, escoltado por elementos do serviço prisional sueco, relata a BBC. Um momento que deixou a estudante em lágrimas enquanto se ouvia os aplausos da maioria dos passageiros que estavam naquele avião, como um turco, que demonstrou o seu apoio, e uma equipa de futebol, que desde o primeiro momento fez saber que apoiava a causa da estudante.

A empresa pública que gere a maior parte dos aeroportos suecos, Swedavia, confirmou que o requerente de asilo saiu do avião, assim como a jovem estudante.

De acordo com o The Guardian , que cita a imprensa sueca, Elin Ersson comprou o bilhete de avião depois de saber, juntamente com outros ativistas, que um afegão iria estar nesse voo para ser deportado.

Apesar dos esforços de Ersson, as autoridades suecas mantêm, no entanto, a decisão de deportar o afegão, que está sob custódia das autoridades, revela a estação de rádio alemã Deutsche Welle (DW).

Já a estudante sueca, apesar de considerar que não infringiu nenhuma regra, pode enfrentar, de acordo com o DW, uma multa ou seis meses de prisão por não obedecer às ordens do comandante do avião.

Um protesto que captou as atenções para a política de imigração da Suécia. No início do ano, o país de Ersson anunciou que iria repatriar cerca de 80 mil migrantes, quase metade dos 163 mil que chegaram em 2017 ao território sueco.

[Notícia atualizada às 19.30]

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.