Estudante trava deportação. "Não é certo mandar pessoas para o inferno"

Elin Ersson protestou de pé num avião no aeroporto de Gotemburgo contra a deportação de um afegão cujo pedido de asilo foi rejeitado pelas autoridades suecas

De pé contra a deportação de um afegão. Uma estudante sueca recusou-se na segunda-feira a sentar-se num avião no aeroporto de Gothenburg até que o refugiado fosse retirado do avião. E conseguiu. Elin Ersson não segurou as lágrimas durante o dramático protesto que transmitiu ao vivo no Facebook. O vídeo tornou-se viral e até esta quarta-feira já teve mais de dois milhões de visualizações.

Na verdade, a estudante e ativista não estava a tentar evitar a deportação do afegão que acabaria por ser retirado do avião por causa do protesto, mas sim um outro homem, também afegão, mas mais jovem.

Quem estava a ser deportado, conta o Guardian, era também um afegão, mas mais velho, com cerca de 50 anos, que acabou a ser retirado do avião pela porta traseira, sem que a jovem sueca o tivesse visto sair. Mas foi informada que conseguira o seu intento.

No interior do avião, com destino ao Afeganistão, Ersson, que se identifica na rede social como sendo estudante na universidade de Gotemburgo, filmava-se enquanto explicava os motivos do seu protesto. Ao longo de tensos 14 minutos, a sueca resistiu às vozes críticas de alguns dos passageiros, um dos quais até lhe tentou tirar à força o telemóvel, e às tentativas da tripulação em sentar-se.

"Estou a fazer o que posso para salvar a vida de uma pessoa"

"O que é mais importante? Uma vida ou o seu tempo? Quero que ele saia do avião porque no Afeganistão ele não está seguro. Estou a tentar mudar as leis do meu país. Não concordo com elas. Não é certo mandar as pessoas para o inferno", reagia Ersson, manifestando-se contra a política de deportação da Suécia, que considera o Afeganistão um país seguro. "Provavelmente ele vai ser morto [no Afeganistão]", alertou.

A jovem sueca não desarmou e manteve o protesto a favor do refugiado, de 52 anos. "Enquanto uma pessoa estiver de pé, o avião não pode descolar. Tudo o que eu quero é parar a deportação", sublinhava. "Estou a fazer o que posso para salvar a vida de uma pessoa".

A determinação da estudante deu resultados: o afegão acabou por ser levado para fora do avião, escoltado por elementos do serviço prisional sueco, relata a BBC. Um momento que deixou a estudante em lágrimas enquanto se ouvia os aplausos da maioria dos passageiros que estavam naquele avião, como um turco, que demonstrou o seu apoio, e uma equipa de futebol, que desde o primeiro momento fez saber que apoiava a causa da estudante.

A empresa pública que gere a maior parte dos aeroportos suecos, Swedavia, confirmou que o requerente de asilo saiu do avião, assim como a jovem estudante.

De acordo com o The Guardian , que cita a imprensa sueca, Elin Ersson comprou o bilhete de avião depois de saber, juntamente com outros ativistas, que um afegão iria estar nesse voo para ser deportado.

Apesar dos esforços de Ersson, as autoridades suecas mantêm, no entanto, a decisão de deportar o afegão, que está sob custódia das autoridades, revela a estação de rádio alemã Deutsche Welle (DW).

Já a estudante sueca, apesar de considerar que não infringiu nenhuma regra, pode enfrentar, de acordo com o DW, uma multa ou seis meses de prisão por não obedecer às ordens do comandante do avião.

Um protesto que captou as atenções para a política de imigração da Suécia. No início do ano, o país de Ersson anunciou que iria repatriar cerca de 80 mil migrantes, quase metade dos 163 mil que chegaram em 2017 ao território sueco.

[Notícia atualizada às 19.30]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.