Este ano já chegaram à costa espanhola quase 21 mil migrantes

Os números da Organização Internacional para as Migrações revelam que quase 40% da imigração que chega à Europa pelo Mediterrâneo entra por Espanha

Espanha tornou-se a principal porta de entrada de imigrantes ilegais para a Europa. Nos primeiros sete meses deste ano, chegaram à costa espanhola 20.992 imigrantes, três vezes mais do que no mesmo período do ano passado (6513). De janeiro até ao passado dia 25 de julho, o continente europeu registou a chegada de 55.001 migrantes.

Os números são da Organização Internacional para as Migrações (OIM) e revelam que 38,16% da imigração ilegal que chega à Europa pelo Mediterrâneo entra por Espanha, sobretudo pelo estreio de Gibraltar.

Em dois dias, a guarda costeira espanhola resgatou 1200 migrantes no mar

Dos 20.099 que chegaram a Espanha nos primeiros sete meses de 2018, 304 morreram ou desapareceram, mais do dobro em relação ao mesmo período do ano passado (124), de acordo com as estimativas da OIM.

Espanha ultrapassou Itália, que contava nos primeiros sete meses do ano com 18.130 chegadas e a Grécia (15.528). "Era de se esperar", reagiu o ministro espanhol da Administração Interna

Os dados espelham bem a gravidade da situação que as autoridades espanholas enfrentam diariamente, com os serviços de assistência aos migrantes a ficarem cada vez mais sobrecarregados. Em julho, por exemplo, conta o El País, 5916 imigrantes ilegais chegaram a território espanhol.

E só em dois dias, a guarda costeira espanhola resgatou mais de 1200 migrantes no mar.

Na sexta-feira, foram resgatados 888 migrantes e, um dia depois, as autoridades espanholas socorreram 334 que seguiam a bordo de 17 embarcações improvisadas.

Espanha pede "solução europeia"

"O problema da imigração é da Europa e precisa de uma solução europeia", disse à imprensa Fernando Grande-Marlaska, o ministro da Administração Interna, que visitou este sábado Cádiz - um dos pontos de entrada em Espanha - para se inteirar dos trabalhos das forças de segurança e da Cruz Vermelha na receção ao migrantes.

Com mais de 20 mil imigrantes ilegais nos primeiros sete meses do ano, Espanha ultrapassou Itália, que contava, no mesmo período, com 18.130 chegadas e a Grécia (15.528). "Era de se esperar", reagiu Grande-Marlaska, que anunciou um novo centro de acolhimento para migrantes no porto de Algeciras, com capacidade para 600 pessoas.

Uma nova estrutura que se revela insuficiente face ao crescente fluxo de migrantes em situação irregular que todos os dias chega ao território espanhol.

Ler mais