"Estamos no inferno no paraíso": turistas abandonam ilha grega de Hydra exigindo dinheiro de volta

Avaria deixou ilha sem eletricidade desde sábado. Água também faltou durante todo o domingo. Até esta tarde, quando voltou a haver eletricidade, não havia dinheiro nos multibancos, os restaurantes estavam fechados e a comida nos hotéis racionada. Foi mesmo declarado o estado de emergência e turistas querem ser ressarcidos.

"Não há dinheiro, o pequeno-almoço que nos deram hoje era horrível, fecharam a piscina, os restaurantes estão fechados, e não pudemos tomar um duche durante todo o domingo." O relato é de turistas portugueses que estão a passar férias na ilha grega de Hydra, considerada uma das mais belas do país e preferem não ser identificados. "Vamos exigir o dinheiro de volta e se isto não se resolver hoje vamos sair daqui."

Contactado pelo DN esta tarde, o hotel em causa, uma unidade de quatro estrelas, recusou qualquer esclarecimento sobre como vai lidar com a situação, limitando-se a certificar: "Temos água e luz e sempre tivemos." Esta certificação, porém, não só contradiz a informação dada pelos hóspedes como choca com a informação de que as autoridades gregas terão declarado o "estado de alerta/emergência" na ilha. Rena Duru, a presidente da região a que pertence Hydra, justificou a decisão com o facto de o município não conseguir lidar sozinho com a gravidade da situação..

A presidente da associação hoteleira da ilha, Maria Kladaki, confirma a debandada de turistas: "Estão a deixar Hydra em massa, não só reclamando de volta o que pagaram como exigindo uma indemnização por terem ficado com as férias estragadas", disse ao ao site noticioso grego Kathimerini.

"Os visitantes estão a deixar Hydra em massa, não só reclamando de volta o que pagaram como exigindo uma indemnização por terem ficado com as férias estragadas"

Os comerciantes confirmam igualmente a inexistência de condições na ilha: "Os restaurantes estão fechados, os multibancos não funcionam, nada está a funcionar. As pessoas estão a fazer as malas e a partir", disse um ao mesmo site.

O presidente da Câmara de Hydra, Yorgos Kukudakis, garantiu que a eletricidade regressaria esta tarde, depois de ontem ter voltado a haver água graças ao fornecimento por um navio da marinha grega. Para já, anunciou, o fornecimento de eletricidade será garantido por dois grandes geradores. Os turistas portugueses contactados pelo DN confirmam que se ouvem geradores a funcionar: "O ruído é indescritível, e o cheiro também." Ao fim da tarde, a eletricidade tinha voltado ao hotel.

"Os restaurantes estão fechados, os multibancos não funcionam, nada está a funcionar. As pessoas estão a fazer as malas e a partir"

Em comunicado, citado pela agência EFE, a Autoridade de Gestão de Distribuição de Eletricidade tinha esclarecido, esta manhã, que os técnicos ainda estavam a tentar encontrar a origem do apagão. Esta terá sido detetada finalmente num dos cabos submarinos entre a Grécia continental e a ilha, que terá sofrido danos, entretanto reparados.

Um oásis de tranquilidade, beleza e silêncio

Numa ilha que apresenta como um dos seus encantos ter banido os veículos motorizados e utilizar burros, mulas e cavalos como meio de transporte exclusivo (só os bombeiros e os serviços de recolha de lixo podem usar veículos motorizados), geradores a motor em laborar contínuo pareceriam ainda mais deslocados.

Hydra fica a uma hora de barco de Atenas. Em 2007, um grupo de peritos da National Geographic proclamou-a a melhor e mais pitoresca da Grécia. Tem apenas uma povoação, junto ao porto, e vive sobretudo do turismo. A sua beleza e tranquilidade atraiu notáveis como Leonard Cohen, que comprou ali uma casa nos anos sessenta; Henry Miller visitou-a em 1939 e descreveu-a num dos seus livros: "É quase uma rocha nua e a sua população, constituída quase exclusivamente por pescadores, está a desaparecer. A cidade, que rodeia o porto em anfiteatro, é imaculada. Só há duas cores, branco e azul, e o branco é repintado todos os dias, até ao chão de pedra das ruas. (...) Esteticamente é perfeita."

"Não há dinheiro, o pequeno almoço que nos deram hoje era horrível, fecharam a piscina, os restaurantes estão fechados, e não pudemos tomar um duche durante todo o domingo."

Uma perfeição e tranquilidade que atraiu o grupo de turistas portugueses. Mas descobriram-se num filme completamente diferente: "Estamos no inferno no paraíso."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.