"Estamos no inferno no paraíso": turistas abandonam ilha grega de Hydra exigindo dinheiro de volta

Avaria deixou ilha sem eletricidade desde sábado. Água também faltou durante todo o domingo. Até esta tarde, quando voltou a haver eletricidade, não havia dinheiro nos multibancos, os restaurantes estavam fechados e a comida nos hotéis racionada. Foi mesmo declarado o estado de emergência e turistas querem ser ressarcidos.

"Não há dinheiro, o pequeno-almoço que nos deram hoje era horrível, fecharam a piscina, os restaurantes estão fechados, e não pudemos tomar um duche durante todo o domingo." O relato é de turistas portugueses que estão a passar férias na ilha grega de Hydra, considerada uma das mais belas do país e preferem não ser identificados. "Vamos exigir o dinheiro de volta e se isto não se resolver hoje vamos sair daqui."

Contactado pelo DN esta tarde, o hotel em causa, uma unidade de quatro estrelas, recusou qualquer esclarecimento sobre como vai lidar com a situação, limitando-se a certificar: "Temos água e luz e sempre tivemos." Esta certificação, porém, não só contradiz a informação dada pelos hóspedes como choca com a informação de que as autoridades gregas terão declarado o "estado de alerta/emergência" na ilha. Rena Duru, a presidente da região a que pertence Hydra, justificou a decisão com o facto de o município não conseguir lidar sozinho com a gravidade da situação..

A presidente da associação hoteleira da ilha, Maria Kladaki, confirma a debandada de turistas: "Estão a deixar Hydra em massa, não só reclamando de volta o que pagaram como exigindo uma indemnização por terem ficado com as férias estragadas", disse ao ao site noticioso grego Kathimerini.

"Os visitantes estão a deixar Hydra em massa, não só reclamando de volta o que pagaram como exigindo uma indemnização por terem ficado com as férias estragadas"

Os comerciantes confirmam igualmente a inexistência de condições na ilha: "Os restaurantes estão fechados, os multibancos não funcionam, nada está a funcionar. As pessoas estão a fazer as malas e a partir", disse um ao mesmo site.

O presidente da Câmara de Hydra, Yorgos Kukudakis, garantiu que a eletricidade regressaria esta tarde, depois de ontem ter voltado a haver água graças ao fornecimento por um navio da marinha grega. Para já, anunciou, o fornecimento de eletricidade será garantido por dois grandes geradores. Os turistas portugueses contactados pelo DN confirmam que se ouvem geradores a funcionar: "O ruído é indescritível, e o cheiro também." Ao fim da tarde, a eletricidade tinha voltado ao hotel.

"Os restaurantes estão fechados, os multibancos não funcionam, nada está a funcionar. As pessoas estão a fazer as malas e a partir"

Em comunicado, citado pela agência EFE, a Autoridade de Gestão de Distribuição de Eletricidade tinha esclarecido, esta manhã, que os técnicos ainda estavam a tentar encontrar a origem do apagão. Esta terá sido detetada finalmente num dos cabos submarinos entre a Grécia continental e a ilha, que terá sofrido danos, entretanto reparados.

Um oásis de tranquilidade, beleza e silêncio

Numa ilha que apresenta como um dos seus encantos ter banido os veículos motorizados e utilizar burros, mulas e cavalos como meio de transporte exclusivo (só os bombeiros e os serviços de recolha de lixo podem usar veículos motorizados), geradores a motor em laborar contínuo pareceriam ainda mais deslocados.

Hydra fica a uma hora de barco de Atenas. Em 2007, um grupo de peritos da National Geographic proclamou-a a melhor e mais pitoresca da Grécia. Tem apenas uma povoação, junto ao porto, e vive sobretudo do turismo. A sua beleza e tranquilidade atraiu notáveis como Leonard Cohen, que comprou ali uma casa nos anos sessenta; Henry Miller visitou-a em 1939 e descreveu-a num dos seus livros: "É quase uma rocha nua e a sua população, constituída quase exclusivamente por pescadores, está a desaparecer. A cidade, que rodeia o porto em anfiteatro, é imaculada. Só há duas cores, branco e azul, e o branco é repintado todos os dias, até ao chão de pedra das ruas. (...) Esteticamente é perfeita."

"Não há dinheiro, o pequeno almoço que nos deram hoje era horrível, fecharam a piscina, os restaurantes estão fechados, e não pudemos tomar um duche durante todo o domingo."

Uma perfeição e tranquilidade que atraiu o grupo de turistas portugueses. Mas descobriram-se num filme completamente diferente: "Estamos no inferno no paraíso."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)