Como Espanha está a tornar-se um popular destino de turismo sexual

Ausência de legislação tornou país num dos destinos favoritos de quem quer pagar por sexo

O Governo espanhol admite que existam cerca de 45 mil mulheres a trabalhar como prostitutas no país. Porém, vários responsáveis ouvidos pelo El Mundo consideram que o número pode ser muito maior: segundo o próprio Instituto Nacional de Estatística de Espanha, a prostituição representa 0,35% do PIB espanhol, gerando cerca de cinco milhões de euros por dia.

De acordo com o jornal, Espanha tornou-se nos últimos anos um dos destinos favoritos para quem viaja à procura de sexo para pagar, sempre no 'top dez', ao lado de países como a Tailândia, Brasil, Indonésia, Colômbia, Filipinas, República Dominicana ou Holanda.

"Claro que há turismo sexual em Espanha, sem dúvida. As próprias forças de segurança do Estado o confirmam. Basta ver como a maioria dos clubes de sexo estão concentrados em áreas turísticas. Na Andaluzia, a maior parte dos bordéis estão nas províncias costeiras, não no interior. Nas Ilhas Canárias e Maiorca, durante a época alta, são preenchidos com mulheres que, depois do período turístico, são transferidas pelas máfias para outros lugares", disse Jorge Uroz Olivares, professor do Departamento de Sociologia e Trabalho Social na Universidade de Comillas que há dois anos realizou um estudo sobre prostituição.

"A oferta é enorme, e como a prostituição não é proibida ou penalizada ou os que pagam por sexo não são penalizados, Espanha tornou-se um país atraente para o turismo sexual", acrescentou Jorge Uroz Olivares.

Também a professora de Trabalho Social e autora de vários estudos sobre prostituição, María José Barahona, concorda com a tese de Olivares. "Faz todo o sentido que Espanha seja um dos destinos do mundo do turismo sexual. Temos os dois ingredientes principais: somos um país com uma grande quantidade de mulheres na prostituição e locais de sexo pago, e um dos países do mundo que recebe mais turistas", defende.

A oferta de prostituição é de tal ordem que são muitos os sites que recomendam online o país aos interessados. E até o Wikisexguide, um site que serve de guia para o turismo sexual, assinala a ascensão de Espanha no mercado: "está a tornar-se um dos destinos de turismo sexual mais populares do mundo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.