Erdogan propõe a EUA trocar o clérigo Gulen por pastor norte-americano

A Casa Branca anunciou em maio que o presidente norte-americano pediu ao Governo da Turquia para repatriar o pastor rapidamente para os Estados Unidos

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, propôs esta quinta-feira a Washington a troca de um pastor norte-americano detido na Turquia pelo clérigo Fethullah Gulen, exilado nos Estados Unidos e que Ancara acusa de organizar o golpe falhado de 2016.

Erdogan disse esta quinta-feira que os Estados Unidos estão a pressionar a Turquia para extraditar "um clérigo", quando se recusam a entregar a Ancara "outro clérigo".

O Presidente turco referia-se ao pastor evangélico norte-americano Andrew Brunson, detido em outubro na Turquia por ligação ao clérigo turco Fethullah Gulen, autoexilado na Pensilvânia (nordeste dos Estados Unidos).

Em maio, a Casa Branca anunciou que o presidente norte-americano, Donald Trump, pediu ao Governo da Turquia para repatriar o pastor rapidamente para os Estados Unidos. E, segundo a imprensa turca, na reunião que manteve há uma semana em Nova Iorque com Erdogan, Trump voltou a pedir a libertação de Brunson.

Erdogan, que discursava na academia de polícia de Ancara, afirmou que a Turquia entregou "todos os documentos necessários" para a extradição de Gulen.

"Eles [os Estados Unidos] dizem: 'entreguem-nos o pastor'. Vocês têm outro pastor nas vossas mãos. Entreguem-no-lo e faremos tudo o que pudermos para vos entregar" Brunson, disse Erdogan.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.