"Era a escola francesa no seu melhor", diz Sá Pessoa sobre Robuchon

Chef Henrique Sá Pessoa destaca o puré de batata do chef francês Jöel Robuchon, que hoje morreu, aos 73 anos, em Genebra

Henrique Sá Pessoa lamentou esta segunda-feira a morte de Jöel Robuchon. Não o conheceu pessoalmente, nem trabalhou diretamente com ele, mas não tem dúvida de que o francês, campeão de estrelas Michelin, 32, ​era "uma das grandes referências da cozinha francesa e da cozinha mundial".

O chef português, cujo restaurante Alma tem uma estrela Michelin, esteve em vários restaurantes de Robuchon, a última vez em outubro, em Macau. "Provei o menu de degustação, muito bom, que tinha coisas como sapateira com tomate, os ravioli de lagostim", conta ao DN, por telefone.

Uma das especialidades de Robuchon, aclamado nos anos 1990 como "cozinheiro do século" pelo guia Gault&Millau, era o puré de batata. "O puré de batata dele é conhecido mundialmente e não há chef nenhum que não o tenha experimentado".

Qual o segredo? "Manteiga, manteiga e mais manteiga", afirma, acrescentando: "O puré de batata tem vários passos, incorporar, por exemplo, a manteiga com uma espátula e batê-la muito bem à mão".

O mais impressionante no chef francês era o seu perfeccionismo, muitas vezes descrito como tirania da cozinha, admite o chef português. "Eu pessoalmente não sou muito apologista dessa tirania. Mas também eram outros tempos. O abusado passava a abusador. As cozinhas antigas antes eram muito assim", nota Sá Pessoa, em referência ao passado de luta que Robuchon teve para chegar onde chegou.

"Nós sabemos o que custa ganhar uma estrela Michelin, quanto mais 30 e tal", sublinha Sá Pessoa, garantindo que Robuchon será "recordado mais pela sua cozinha do que pelo seu feitio". E conclui: "Ele é a cozinha francesa no seu melhor".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.