Empresa criada pelo Sr. Matsuda até à bomba atómica resistiu

Fabricante viu instalações arrasadas a 6 de agosto de 1945, mas quatro meses depois já produzia. Hoje, ajuda o Japão a ser o líder nos automóveis.

Um robô transporta o vidro, outro espalha a cola nas borrachas, um terceiro encaixa-o na frente do carro. Precisão absoluta. O CX-5 continua a avançar na passadeira rolante que faz parte da linha de montagem da grande fábrica que a Mazda tem em Hiroxima, onde a empresa nasceu há quase um século.

Dois operários tinham pouco antes colocado os forros do chão e do tejadilho, trabalho que exige ainda intervenção humana, e agora novos robôs vão instalar as portas do automóvel. Uma placa explicativa, à entrada da plataforma elevada onde os visitantes podem estar, garante que um carro é construído em 2,5 dias, mas que em caso de acumulação de encomendas o processo pode ser acelerado para 1,8 dias nesta linha de montagem que comporta vários modelos. Antes do CX-5 vermelho, seguia um descapotável cinzento, talvez um MX-5, e depois vem um carro mais pequeno, branco. É possível que algum deles acabe à venda em Portugal, levado por um dos navios que esperam no cais próximo. O cargueiro pode transportar seis mil carros e demorará 35 dias até à Europa, via Suez.

Num país conhecido pelas grandes marcas automóveis, desde a Toyota à Honda, a Mazda ocupa um lugar especial por ter sido essencial na recuperação de Hiroxima depois da bomba atómica que marcou o fim da Segunda Guerra Mundial. Um pequeno filme exibido aos jornalistas conta que o ataque americano coincidiu com o 70.º aniversário de Jujiro Matsuda, o fundador da empresa, e que a fábrica ficou arrasada, morrendo centenas de trabalhadores. Mas quatro meses depois da tragédia de 6 de agosto de 1945 a produção da Mazda tinha já recomeçado, ajudando não só a dar esperança à população de Hiroxima (onde a bomba matou dezenas de milhares) como ao milagre económico japonês. O país chegou a ser a segunda maior economia, só atrás dos Estados Unidos, e agora é a terceira, depois de em 2010 ter visto o PIB da China ultrapassar o seu.

"Esta ponte pertence à Mazda. Já foi a ponte privada mais extensa do mundo", explica, a bordo de um autocarro da Mazda (e de marca Mazda, claro!), Aiaka Yamamoto, que serve de guia na visita. E vai apontado os dois quartéis de bombeiros a funcionar 24 horas sobre 24 na fábrica, os três silos capazes de armazenar 11 mil automóveis prontos a exportar, a central de energia própria, a estação de tratamento de águas, os vários cais. Ao todo, são 233 hectares, na zona Sul de Hiroxima, onde desaguam os seus seis rios. É também Yamamoto que explica que a empresa nasceu com o nome de Toyo Kogyo em 1920 e só em 1984 mudou para Mazda Corporation. Mas a marca comercial sempre foi Mazda, como mostra um triciclo motorizado de 1932, o Mazdago, que existe no museu da companhia. E porquê Mazda? Por causa do deus da Pérsia? "Sim, com a sua sabedoria, mas também por soar como nós os japoneses dizemos Matsuda, o apelido do fundador", explica a relações-públicas . E é verdade. As pessoas com que falei pronunciam "Mazuda" em vez de Mazda.

"Estou impressionado", diz Lin, um jovem de Singapura que aproveitou a vinda a Hiroxima para dar um pulo ao museu da Mazda. "O meu pai tem um Mazda e por isso tenho curiosidade de saber mais sobre a marca, mesmo que tenha vindo visitar sobretudo o Museu da Bomba Atómica", acrescenta.

Já o casal americano que tira fotos a todos os modelos, do R360 de 1960 ao moderno Demio com motor elétrico, esclarece que "dificilmente compraria um carro japonês, mas admiro a tecnologia". Quem fala é Ron, que explica que tem um Ford e que apoia o presidente Donald Trump quando este apela a que os americanos comprem americano. "Isto não é nada contra os japoneses. Como povo são fantásticos. Estivemos em Tóquio e em Quioto antes de vir aqui por causa da bomba e se pudermos voltaremos. Mas a economia dos Estados Unidos precisa de nós, dos nossos dólares."

Em Hiroxima, os Mazda abundam nas estradas. A Toyota compete forte, mas não domina como em Tóquio. Carros de marca estrangeira, sejam americanos ou europeus, são poucos. E Trump, que há dias recebeu o primeiro-ministro Shinzo Abe, tem insistido no défice comercial dos Estados Unidos com o Japão, no qual o setor automóvel tem responsabilidades. No ano passado, foram exportados 1,6 milhões de carros japoneses para os Estados Unidos, enquanto só foram comprados 19 mil americanos no Japão.

"Percebe-se que Trump esteja zangado. Está muitas vezes e por muitas razões, mas nesse caso trata-se de uma escolha dos consumidores. Os americanos gostam de carros japoneses, os japoneses também", comenta Aoyama Naoatsu, do Asahi Shinbum. O jornalista, especializado na indústria automóvel, sublinha que "há carros japoneses vendidos nos Estados Unidos que são lá fabricados". E essas fábricas empregam milhão e meio de americanos.

Quanto à Mazda, que já chegou a ter uma parceria com a Ford, as suas vendas nos Estados Unidos vão bem. Quase 22 mil carros em janeiro de 2017, um pouco acima de 2016. Por ano, no mundo, são 1,5 milhões de automóveis, o que faz da empresa a 15.ª a nível global. Um orgulho para o senhor Matsuda, o genial filho de um pescador de Hiroxima, como alguém aqui me contou.

Em Tóquio, Hiroxima e Nagasáqui, o DN viajou a convite do MNE do Japão

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.