Como Elon Musk pode ajudar a salvar as crianças presas na gruta

Peritos das empresas de Musk vão estar amanhã com as autoridades. Vídeo mostra quão difícil é o percurso pelo interior da gruta

O bilionário da indústria automóvel e espacial, Elon Musk ofereceu ajuda às autoridades tailandesas para o resgate das 12 crianças e do seu treinador que estão há 13 dias presos numa gruta. Dada a complexidade das operações, Elon Musk não se comprometeu com nenhuma ação. Vai enviar peritos das suas empresas SpaceX (construção espacial) e Boring Company (construção de túneis) para que estes percebam como podem ser úteis.

O próprio anunciou no Twitter que ficava à disposição para ajudar no resgate.

O uso do conhecimento de especialistas da empresa de túneis pode ajudar a dar força à tentativa de resgate através de uma abertura na montanha. Evitando assim que o grupo com idades entre os 11 e os 16 anos tenha de fazer o percurso pelo interior da gruta, parcialmente inundado, e com troços muito complicados, como mostra este vídeo no Twitter.

"Assim que percebermos no que podemos fazer ou enviar de útil, vamos fazê-lo. Estamos a reunir feedback e orientação das pessoas que estão no terreno em Chiang Rai para determinar a melhor maneira de ajudar nos seus esforços de resgate", referiu um porta-voz da Boring Company à BBC.

Embora não tenham ainda definido como vão ajudar no resgate, o próprio Musk já tinha dado algumas pistas. Por exemplo, tem "um radar avançado de penetração no solo", que é "muito bom a escavar buracos" ou tecnologia para "criar um túnel de ar debaixo de água", por onde as crianças poderiam sair.

Esta sexta-feira, em resposta no Twitter, Musk deu ainda mais algumas ideias de como podem ajudar. "Inserir um tubo de nylon com um metro de diâmetro através do complexo da gruta e enchê-lo de ar como um castelo insuflável. Deve criar um túnel de ar debaixo de água contra o teto da gruta e adaptar-se às formas mais complicadas como um buraco de 70 centímetros."

O governo tailandês já referiu a a equipa de Musk poderia ajudar com serviços de localização, retirada de água ou fornecendo energia.

As crianças estão presas na gruta há 13 dias, com o seu treinador de 25 anos. Mais de 1300 operacionais estão no terreno a estudar a forma mais segura de trazer as crianças da gruta. Um dos caminhos o mesmo pelo qual entraram, mas que agora está parcialmente inundado, o que impediu o regresso da equipa logo a 23 de junho. É um caminho difícil, que demora seis horas a ser percorrido, pelos militares treinados.

Esta sexta-feira um desses militares (já na reserva) acabou por morrer durante uma missão em que estava a colocar oxigénio na gruta onde se encontra a equipa de juniores e o treinador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.