E no Panamá disseram: "Até Portugal, Lisboa 2022"

Vivas a Portugal. Palmas, Abraços. Confetes. Foi assim que mais de 200 jovens reunidos na Paróquia do Parque das Nações receberam o anúncio de que o país e Lisboa receberão a próxima Jornada Mundial da Juventude (JMJ), em 2022 Lisboa. O desafio começa agora.

Eram 14.43 de Lisboa quando se ouviu, não o Papa Francisco, mas o atual prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, a pronunciar o nome de Portugal. "A próxima Jornada Mundial da Juventude vai decorrer em Portugal", disse o cardeal Kevin Farrell, bispo emérito de Dalas, EUA.

No salão da paróquia do Parque das Nações, era o momento aguardado por mais de 200 jovens que ali se reuniram para assistir à celebração do Papa Francisco em direto do Panamá. Uma explosão de emoções. Vivas a Portugal. Palmas. Abraços e confetes.

A tarde estava fria em Lisboa, ventosa, mas isso não impediu que estes jovens se juntassem na Paróquia do Parque das Nações que será, precisamente, e por coincidência, garantiram-nos, a paróquia central para a receção da JMJ 2022, já que o local escolhido é o Parque Tejo, naquela zona, entre Lisboa e o Trancão.

A ouvir o cardeal Kevin Farrell estavam também os 300 jovens que viajaram até àquele país para participarem neste evento. O cardeal, D. Manuel Clemente, seis bispos, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o autarca da capital, Fernando Medina.

"É com muita alegria que, como patriarca de Lisboa e um dos bispos de Portugal - porque isto é para nós todos - recebermos esta notícia de que será em Lisboa a Jornada Mundial da Juventude de 2022", afirmou à agência Lusa Manuel Clemente.

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou também sentir "uma alegria incontida. É começar a sonhar já e a projetar o que se vai passar daqui a três anos e meio". "Acho que conseguimos, conseguimos todos, conseguimos nós portugueses, conseguiram naturalmente os católicos de Portugal, conseguiram os bispos católicos, conseguiu D. Manuel Clemente, cardeal-patriarca de Lisboa, mas conseguimos nós todos como povo e conseguimos nós que falamos português", assinalou o Presidente em declarações à Lusa.

Da parte do Governo, o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, também na cidade do Panamá, também referiu tratar-se de uma "notícia extraordinária". "Estamos a falar do maior evento de juventude que há no mundo, eu não sei mesmo se alguma vez em Portugal recebemos algo parecido com isto e, portanto, é uma notícia extraordinária."

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, presente no Panamá, confirmou que Lisboa já recebeu muitos eventos, mas nenhum com a dimensão de uma Jornada Mundial da Juventude. Aliás, Portugal é o segundo país lusófono a receber este evento. O primeiro foi o Brasil, em 2013.

Lisboa poderá receber em duas semanas quase tantos peregrinos como turistas num ano: um milhão. Em Madrid, conta quem lá esteve, estiveram quatro milhões de pessoas.

Neste mesmo dia ficou a saber-se que a Província Portuguesa da Companhia de Jesus vai acolher o Magis 2022, uma espécie de pré-jornada para jovens de todo o mundo ligados às obras dos jesuítas. O padre Pedro Rocha Mendes, coordenador da pastoral juvenil e universitária dos jesuítas em Portugal, afirmou ter sido com "uma enorme alegria que recebemos a notícia de que a próxima JMJ é em Lisboa."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.