"É extraordinariamente óbvio" que príncipe saudita mandou matar Khashoggi

Relatório da CIA deverá ser divulgado nesta terça-feira. Responsável do Departamento de Estado americano que teve acesso ao relatório afirmou à ABC News que este torna óbvio que foi o príncipe Mohammed bin Salman quem ordenou o assassinato

Negando que o relatório final da CIA acerca do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi concluísse que foi o príncipe herdeiro da coroa Mohammed bin Salman quem o ordenou, Donald Trump disse no fim de semana que nesta terça-feira "provavelmente" já haveria um relatório disponível.

"Ainda não avançaram nada - é demasiado cedo", disse Trump depois de o Washington Post atribuir ao relatório da CIA a confirmação da culpa do príncipe saudita.

Contudo, fonte do Departamento de Estado americano que teve acesso ao relatório da CIA sobre o homicídio de Khashoggi disse à estação televisiva americana ABC News que é "extraordinariamente óbvio" que o herdeiro da coroa ordenou a morte de Khashoggi, correspondente do Washington Post e crítico do regime saudita que foi morto a 2 de outubro no consulado da Arábia Saudita em Istambul, onde se dirigiu para levantar documentação necessária para se casar com uma cidadã turca.

"Há um incrível consenso sobre o facto de que o líder esteve envolvido. Dentro do governo ninguém o está a debater", afirmou o mesmo responsável, que permanece anónimo.

Dizendo que não há dúvidas expressas no relatório, a mesma fonte acrescentou que as palavras "provavelmente" e "possivelmente" são usadas quando a morte é atribuída ao príncipe e que o relatório da CIA raramente inclui conclusões explícitas.

Entre as provas citadas pelo relatório estará a relação entre os membros da equipa que levou a cabo o assassinato e o príncipe saudita. Um deles, Maher Abdulaziz Mutreb, por exemplo, integra frequentemente a equipa de segurança do príncipe.

O relatório é baseado em comunicações intercetadas - que incluem chamadas telefónicas anteriores entre o grupo que levou a cabo o homicídio e a equipa do príncipe -, informações recolhidas no terreno, e análise.

A porta-voz do departamento de Estado Heather Nauert negou no sábado que já houvesse uma conclusão final. "O Departamento de Estado vai continuar à procura de todos os factos relevantes", disse. Nuaert acrescentou que a investigação do homicídio será feita "mantendo a importante relação estratégica entre EUA e a Arábia Saudita"

A procuradoria saudita afastou desde o primeiro momento o príncipe, apontado como sucessor do reino, deste caso. Na última quinta-feira, foi anunciado que 11 suspeitos foram acusados - cinco deles incorrem em pena de morte. Também o ministro dos Negócios Estrangeiros saudita Adel al-Jubeir afirmou nesta terça-feira ao jornal Al Sharq Al Awsat que as conclusões atribuídas à CIA são falsas e que não partem de "provas conclusivas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...