Duterte chama "estúpido" a Deus e irrita igreja católica

Presidente filipino criticou a história de Adão e Eva e o conceito bíblico de pecado original.

"O vosso Deus não é o meu Deus porque o vosso Deus é estúpido", afirmou Rodrigo Duterte durante a tomada de posse de uns eleitos locais na aldeia de Cagayan. O presidente filipino, citado pelo Manila Times, reafirmava assim a frase que dissera dias antes provocando uma vaga de indignação não só da Igreja Católica, como de boa parte da população (104 milhões ao todo) num país em que mais de 80% são católicos.

Famoso pelo discurso incendiário, Duterte proferira há dias um discurso televisivo em que criticava a história de Adão e Eva e o conceito bíblico de pecado original. "Criaste um paraíso perfeito, mas porque é que chamaste uma serpente para dar uma maçã [a Adão] e tentar os dois?" E rematou interrogando-se: "Quem é este Deus estúpido?" que "destrói a qualidade do seu trabalho".

Bispos condenam

A reação não tardou, com vários dirigentes da igreja católica nas Filipinas a condenarem as palavras de Duterte. "Não queremos um presidente vulgar e sem maneiras", escreveu no Facebook Broderick Pabillo, bispo auxiliar de Manila. E o bispo Noel Pantoja, diretor nacional do Concelho das Igrejas Evangélicas das Filipinas, afirmou-se "ofendido" com as palavras do presidente.

Gabinete defende

O porta-voz de Duterte, Harry Roque, veio entretanto em defesa do chefe do Estado, garantindo que estas são as suas convicções pessoais. E explicou que a ira do presidente com a igreja católica tem base nas suas alegações de que terá sido abusado por um padre quando era criança.

Homem de todas as polémicas

No poder desde julho de 2016, Rodrigo Duterte tem-se destacado pela retórica feroz e algumas decisões controversas. A sua campanha contra os traficantes de droga - cujo assassínio extrajudiciais tem promovido - deu-lhe destaque internacional. De tal forma que o Tribunal Criminal Internacional abriu um inquérito já este ano para investigar os crimes.

Afirmando-se "feliz" se pudesse matar milhões de toxicodependentes, em 2017 Duterte garantiu mesmo ter esfaqueado alguém quando era adolescente.

Os insultos também são a sua especialidade - afinal foi ele quem chamou "filho da puta" ao ex-presidente dos EUA Barack Obama e também ao Papa Francisco.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.