Inédito: Trump arrasa May em entrevista ao Sun e diz que Boris Johnson seria "excelente" primeiro-ministro

Entrevista a tabloide, divulgada no dia da chegada, está a provocar manifestações em Londres.

Donald Trump arrasou a nova estratégia da primeira-ministra britânica Theresa May para o brexit, acusando-a de estar a arruinar o objetivo dos britânicos de saírem da União Europeia, com a sua abordagem "suave" das negociações com Bruxelas, o que deverá "matar" futuros acordos comerciais com os EUA.

As declarações foram feitas durante uma entrevista ao jornal The Sun, na qual o presidente dos EUA afirmou ainda que o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros britânico Boris Johnson daria um "excelente" primeiro-ministro.

A entrevista de Trump foi revelada enquanto decorria um jantar de boas-vindas de May ao presidente norte-americano e parece está a incomodar. O jornal The Guardianconsiderou que se trata de uma entrevista "extraordinária", que ameaça minar a nova estratégia de May, ao "humilhá-la abertamente".

Do outro lado do Atlântico, o The New York Times também diz que a entrevista é uma "notável quebra de protocolo", com a marca de Trump de "diplomacia confrontacional e disruptiva". O Washington Post fala em entrevista explosiva,

Acusando a primeira-ministra de fazer um "brexit light", Trump disse ao The Sun que "se [os britânicos] fizerem um acordo [como o que está em cima da mesa], nós vamos negociar com a União Europeia, em vez de negociarmos com o Reino Unido, pelo que provavelmente isso vai matar o acordo" com o Reino Unido.

O presidente norte-americano, que comparou o referendo de junho de 2016, no qual se decidiu a saída do Reino Unido da União Europeia, com as eleições norte-americanas desse mesmo ano ano, disse: "O acordo que ela está a procurar obter é muito diferente do que aquele pelo qual as pessoas votaram".

Trump também disse ao tabloide que tinha aconselhado May durante as negociações britânicas com Bruxelas, mas que esta o tinha ignorado.

Johnson daria um "excelente" primeiro-ministro

Trump disse ao mesmo jornal, apenas alguns dias depois de Johnson ter saído do governo de Governo de May, que Johnson é alguém "muito talentoso" e que gosta "muito" dele. E acrescentou: "Penso que ele seria um grande primeiro-ministro. Penso que tem o que é preciso".

No mesmo registo, declarou-se "muito entristecido" por ver Johnson sair do Governo, manifestando-se esperançado em que "ele volte" e elogiando-o diretamente: "Acho que ele é um grande representante do vosso país".

Quando questionado diretamente sobre se pensa que Johnson pode um dia substituir May, recusou responder, dizendo que não estava interessado "em pôr um contra o outro".

Boneco gigante incomodou

Durante a mesma entrevista, o presidente norte-americano revelou que foi informado da existência de um balão gigante, do 'Bebé Trump', que vai ficar a flutuar hoje em Londres, junto ao parlamento, enquanto decorre uma manifestação de protesto contra Trump.

Ao justificar ao jornal o facto de passar pouco tempo em Londres, Trump disse: "Penso que quando põem balões para me fazer sentir indesejado, não há razões para ir a Londres".

Trump responsabilizou o presidente da câmara de Londres, Sadiq Khan, que é muçulmano, pela atmosfera da cidade e pelo recente atentado terrorista.

Sadiq Khan autorizou os manifestantes a exibirem o balão, com seis metros de altura, mostrando Trump como um bebé zangado e de fraldas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.