Um morto e um ferido em explosão numa estação de metro de Estocolmo

Vítima mortal apanhou do chão objeto que depois explodiu. Polícia acredita que não há relação com terrorismo

Uma pessoa morreu e outra ficou ferida este domingo depois de uma explosão numa estação de metro em Estocolmo, na Suécia.

A explosão, segundo o The Local, aconteceu na estação de Vårby Gård. A vítima mortal é um homem de 60 anos, que não sobreviveu aos ferimentos. "Havia alguma coisa no chão e o homem apanhou-a, depois explodiu", contou à agência de notícias TT Sven-Erik Olsson, da polícia de Estocolmo. A outra pessoa ferida é uma mulher de 45 anos que se encontrava no local. As autoridades acreditam que não existe relação com terrorismo na explosão.

O jornal Aftonbladet reporta que o objeto apanhado do chão seria uma granada de mão, ainda que não haja confirmação oficial desta informação. A polícia está a investigar.

A estação de metro foi evacuada, bem como uma praça nas imediações. O alerta às autoridades foi dado às 11:07 locais (10:07 em Lisboa). Uma equipa de inativação de explosivos esteve no local, segundo o jornal sueco SVT Nyheter.

A estação de Vårby Gård fica em Huddinge, um distrito residencial no sudoeste da cidade de Estocolmo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.