Documento secreto: Martin Luther King era "marxista de corpo e alma" e "desviante sexual"

Ficheiro do governo americano que foi mantido em segredo durante 50 anos estava entre os documentos do assassinato de JFK

O FBI criou em 1968 um dossier sobre Martin Luther King Jr. que foi mantido em segredo até agora. No documento, o ativista dos direitos civis americano é descrito como "um marxista de corpo e alma", com fortes ligações ao Partido Comunista dos EUA, bem como um "desviante sexual".

O ficheiro encontrava-se entre os documentos ligados ao assassinato do Presidente John Fitzgerald Kennedy que foram tornados públicos esta sexta-feira. Segundo a BBC, não é claro por que razão esta pasta estava neste espólio, uma vez que não surge qualquer menção ao presidente assassinado. Os registos mostram que um departamento do FBI acedeu a esta informação em 1994 e que decidiu que deveria manter-se secreta.

O perfil de King aqui traçado é assumidamente resultante de conversas privadas entre fontes anónimas e rumores não confirmados por fontes diretas, pelo que a sua credibilidade é discutível. Todo o documento, aliás, está escrito no sentido de dar uma imagem negativa do homem que recebera o Nobel da Paz quatro anos antes.

Além das acusações atrás referidas, o FBI afirmava que todos os discursos de King eram aprovados previamente por pessoas ligadas ao partido comunista e que a sua organização, a Southern Christian Leadership Conference (Conferência da Liderança Cristã do Sul), era na realidade uma forma de fuga aos impostos.

"King é intelectualmente lento que normalmente não consegue produzir declarações sem a ajuda de alguém", lê-se no documento.

Quanto à sua vida privada, o documento afirma que King tivera pelo menos quatrp relações extramatrimoniais duradouras, uma delas com a cantora joan Baez, que tinha um filho ilegítimos de uma amante na Califórnia e que participara por várias vezes em "orgias sexuais com álcool" nas quais jovens raparigas eram coagidas a participar.

Comportamentos que são descritos no ficheiro como "atividades não naturais", "desviantes" e "aberrantes".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.