Novo diretor de comunicação de Trump insulta outros dirigentes da Casa Branca

"Eu não sou Steve Bannon. Não procuro chupar o meu próprio pénis", foi uma das frases proferidas

O novo diretor de comunicação da Casa Branca, Anthony Scaramucci, atacou com uma extrema violência, incluindo linguagem grosseira, outros assessores do Presidente Donald Trump, informou na quinta-feira na The New Yorker.

Nomeado em 21 de julho por Trump, este financeiro de Wall Street tem-se desmultiplicado em declarações polémicas e já prometeu grandes mudanças na comunicação do executivo dos EUA.

Um dos grandes objetivos é parar com as fugas de informação e as revelações sobre o governo de Trump, que fazem as delícias da imprensa.

Em texto publicado na noite de quinta-feira pela New Yorker, o correspondente desta publicação em Washington relata uma conversa telefónica que teve na véspera com Scaramucci, furioso com uma mensagem deste jornalista na rede social Twitter revelando um jantar entre Trump, a sua esposa, Melania, e dirigentes da cadeia televisiva Fox News.

"Quem vos disse isso?", perguntou Scaramucci. Perante a recusa do jornalista em revelar a sua fonte, o novo dirigente da comunicação da Casa Branca ameaçou: "Vou eliminar toda a equipa de comunicação e começar do zero! Vou despedi-los todos".

Ainda segundo este artigo, Scaramucci atacou depois, de forma particularmente grosseira, o secretário-geral da Casa Branca, Reince Priebus, um dirigente do Partido Republicano, que suspeita ser o organizador das fugas de informação: "Reince é um esquizofrénico paranoico, um paranoico".

Depois, com recurso a um vocabulário sexual extremamente grosseiro, Scaramucci atacou Steve Bannon, o muito polémico estratega da Casa Branca, próximo da extrema-direita, a quem acusou de ter a sua própria agenda: "Eu não sou Steve Bannon. Não procuro chupar o meu próprio pénis".

Perante a polémica provocada em Washington por tais declarações, Scaramucci procurou emendar a mão. Na rede social Twitter colocou a mensagem "Por vezes, exprimo-me com uma linguagem colorida. Vou abster-me de o fazer, mas não renunciar ao meu combate apaixonado pelo programa de @realDonaldTrump".

Nascido em Long Island, no Estado de Nova Iorque, numa família de imigrantes italianos de classe média, diplomado por Harvard, com uma passagem pelo banco Goldman Sachs, responsável por fundos de investimento para clientes riquíssimos, Scaramucci é um grande contribuinte para o partido republicano. Em 2012, foi tesoureiro da campanha presidencial de Mitt Romney em 2012.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.