Naufrágio na Líbia: 90 refugiados desaparecidos depois de barco virar

Até agora só três pessoas foram recuperadas com vida

A OIM (Organização Internacional das Migrações) receia que pelo menos 90 pessoas se tenham afogado, ao largo da Líbia, quando a embarcação em que seguiam se virou.

A porta-voz da organização, Olivia Headon, afirmou que dez corpos já deram à costa perto da cidade líbia de Zuwara, na sequência da tragédia de hoje.

Acredita-se que oito dos mortos eram paquistaneses e dois líbios. Há relatos de que três passageiros conseguiram salvaram-se: um paquistanês e dois líbios.

Olivia Headon, que falava aos jornalistas em Genebra a partir da capital da Tunísia, declarou que as indicações iniciais referiam que o barco, alegadamente de contrabandistas, começou a ficar desequilibrado antes de virar com os passageiros a bordo.

A porta-voz da OIM declarou ainda que os cidadãos paquistaneses estão, cada vez mais, a tentar atravessar o Mediterrâneo da Líbia para a Itália.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.